Especial Botucatu 165 anos: Catedral Metropolitana de Sant’Ana e a imersão pela fé e arte

Catedral Metropolitana de Sant’Ana e a imersão pela fé e arte

em BotucatuGeral 13 de abril de 2020

A história da atual Catedral está ligada diretamente com a elevação de Botucatu como Arquidiocese

por Flávio Fogueral*

Bem no “coração” de Botucatu está um dos principais símbolos da Cidade. A Catedral Metropolitana de Sant’Ana é um marco turístico (sendo o local mais fotografado) e histórico do município, que representa a importância do município para a Igreja Católica.

Considerada a principal edificação do chamado Centro Histórico, a Catedral Metropolitana possui características únicas como sua arquitetura em estilo gótico, com a assinatura do engenheiro Cav. J. Sachetti, tendo como inspiração da Catedral da Sé, em São Paulo. Também é uma das igrejas que tem vasto repertório de arte sacra.

A história da atual Catedral está ligada diretamente com a elevação de Botucatu como Arquidiocese. Em 8 de dezembro de 1927, dom Carlos Duarte Costa lançou a pedra fundamental para a construção da nova edificação. Houve a presença do então presidente do Estado (equivalente ao cargo de governador), Júlio Prestes. Foram anos de intensos trabalhos e mobilização da comunidade para a concepção da igreja magna de Botucatu. Ainda durante a edificação, alguns fatos foram significativos: em 1937 a cripta (onde os bispos e arcebispos estão sepultados), estava conclusa sendo que em setembro daquele ano, os restos mortais de Dom Lúcio Antunes de Souza foram transferidos para o local. Sua inauguração ocorre oficialmente em 8 de dezembro de 1943.

Na década de 1960 a igreja recebeu uma grande revitalização e reforma, com mudanças significativas. Por determinação do então arcebispo, Dom Henrique Golland Trindade foram derrubados todos os altares de mármore, bem como de quase todas as imagens, inclusive a grande imagem de Sant’Ana do altar central. Essa imagem foi colocada na Praça ao lado da Catedral em um pedestal. A obra sofreu com ações de vândalos, voltando a compor o cenário em 2013 após a revitalização daquele espaço público.

A Catedral recebeu incrementos artísticos que ao longo dos anos enriqueceram o patrimônio religioso e cultural, como os vitrais que reproduzem os quadros de madonas, amplamente adaptados ao ambiente brasileiro. Tais vitrais são uma atração única para contemplação e reflexão de fé. Outra atração que está disponível ao visitante é a capela do Santíssimo que, no interior da basílica, oferece um espaço de paz e reflexão.

mudanças ao longo dos anos, hoje é possível contemplar uma grande imagem de Jesus Crucificado talhada em madeira nobre, além de um trono para Nossa Senhora Aparecida.

A Catedral Metropolitana está aberta à visitação diariamente em horário comercial. Para quem preferir acompanhar as missas, as celebrações ocorrem de segunda a sexta-feira, às 7 e 18h30; sábado às 16 e 19h30 e aos domingos (7h30, 10 e 19 horas).

Por Flávio Fogueral *Matéria publicada originalmente na edição 39 da Destaque Botucatu.