Dupla diz à polícia que matou idoso asfixiado porque foi reconhecida após roubar botijão de gás, no interior de SP

Os suspeitos de roubarem um botijão de gás em Itaberá, no interior de São Paulo, contaram à Polícia Civil que decidiram matar o morador da casa, de 70 anos, porque pensaram que haviam sido reconhecidos.

De acordo com a corporação, dois homens invadiram a casa do idoso na madrugada do último dia 21 e furtaram o botijão de gás que estava acoplado no fogão. Na sequência, os criminosos venderam o objeto por R$ 50 em um local conhecido pelo tráfico de drogas.

No entanto, a polícia informou que, após a venda do botijão, os dois assaltantes decidiram voltar à casa da vítima porque suspeitaram que tinham sido reconhecidos pelo idoso.

“Da primeira vez que eles invadiram a casa, nem ameaçaram o idoso. Mas eles acreditam que a vítima viu o furto e os reconheceu, porque eles moram próximos, a algumas quadras da vítima, aí voltaram para matar”, explica o delegado José Vitor Bacetti.

Segundo a Polícia Civil, os criminosos asfixiaram a vítima com um travesseiro e, cerca de uma hora depois, um deles ainda voltou ao local do crime para se certificar de que o idoso estava morto.

Botijão de gás roubado foi apreendido pela polícia em Itaberá — Foto: Polícia Civil/Divulgação
Botijão de gás roubado foi apreendido pela polícia em Itaberá (Foto: Polícia Civil/Divulgação)

Pela manhã, moradores sentiram falta do idoso e o encontraram morto dentro de casa, enrolado em um cobertor. A vítima foi identificada como Pedro Pereira de Oliveira, de 70 anos.

A Polícia Militar foi acionada e localizou os suspeitos logo depois. Conforme o delegado, os dois homens admitiram a participação no crime, mas um apontou para o outro o assassinato da vítima.

A dupla foi presa em flagrante por latrocínio e depois teve a prisão convertida em preventiva. De acordo com a Polícia Civil, os suspeitos já eram conhecidos nos meios policiais e devem ficar presos até o julgamento.

Eles também mostraram aos policiais o local onde venderam o botijão de gás roubado, e o homem que comprou o objeto vai ser investigado em liberdade por receptação.

Fonte: G1