Dólar tem 3ª queda seguida e fecha abaixo de R$ 3,85

AdSense Postagem 01

Postagem Única 01 Mobile

O dólar fechou em queda ante o real pela 3ª sessão seguida nesta terça-feira (6), apesar do quadro de incertezas políticas e econômicas no Brasil, num dia de poucos negócios.

A moeda norte-americana encerrou o dia vendida a R$ 3,8429, em queda de 1,48%, na menor cotação desde 16 de setembro, acumulando queda de 3,99% em três sessões.

No acumulado no mês, o dólar caiu 3,09%. No ano, entretanto, a valorização é de 44,54%.

Segundo a Reuters, o movimento de queda ainda refletia apostas de que o Federal Reserve, banco central norte-americano, só elevará os juros no ano que vem.

“Depois de uma abertura de cautela interna, o mercado se valeu do dólar mais fraco no mercado externo para vender divisas”, disse à Reuters o operador da corretora Spinelli José Carlos Amado. “O mercado está com pouco volume e isso ajuda no tamanho da queda”.

Veja como foi a cotação ao longo do dia:

Às 9h05, alta de 0,94%, a R$ 3,9374

Às 9h50, alta de 0,3%, a R$ 3,9126

Às 10h20, queda de 0,14%, a R$ 3,8954

Às 10h50, queda de 0,78%, a R$ 3,8705

Às 11h50, queda de 1,54%, a R$ 3,8408

Às 12h57, queda de 1,61%, a R$ 3,8380

Às 13h27, queda de 1,44%, a R$ 3,8445

Às 14h25, queda de 1,57% a R$ 3,8397

Às 14h45, queda de 1,28% a R$ 3,8509

Às 15h30, queda de 1,05% a R$ 3,8599

Às 16h10, queda de 1,47% a R$ 3,8433

Cenário internacional

O dólar vem recuando sobre moedas emergentes nos últimos dias diante de apostas de que o Federal Reserve, banco central norte-americano, só elevará os juros nos Estados Unidos no ano que vem, provocadas por uma leva de indicadores econômicos fracos no país.

Nesta terça, essa perspectiva foi reforçada por dados mostrando que as exportações de agosto dos EUA foram atingidas pela economia global enfraquecida e as importações da China cresceram, alimentando a maior expansão do déficit comercial norte-americano em cinco meses.

O Fed aguarda sinais de recuperação da economia dos EUA para subir a taxa de juros no país. Por isso, com os recentes dados ruins, a moeda norte-americana caía em relação a moedas como os pesos chileno e mexicano nesta terça.

No Brasil

A cautela ainda predomina sobre os negócios locais, antes de importantes eventos políticos. Estava marcada para esta manhã a votação dos vetos presidenciais no Congresso Nacional que, se derrubados, dificultariam ainda mais o ajuste das contas públicas brasileiras. A expectativa nos mercados, no entanto, é de que sejam mantidos.

Porém, a sessão do Congresso foi encerrada por falta de quórum sem que fossem analisados os vetos presidenciais a pautas-bomba, como o que barra o reajuste para os servidores do Judiciário. Uma nova sessão foi convocada para a manhã desta quarta-feira (7), às 11h30.

Os investidores também estão de olho no Tribunal de Contas da União (TCU), que manteve o julgamento das contas do Executivo de 2014 para quarta-feira mesmo após o governo ter pedido o afastamento do relator do caso, ministro Augusto Nardes. A reprovação do balanço poderia abrir espaço para eventual processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff.

Atuação do BC

O Banco Central deu continuidade nesta manhã ao seu programa diário de interferência no câmbio, seguindo a rolagem dos swaps cambiais que vencem em novembro, vendendo a oferta total de até 10.275 contratos, equivalentes a venda futura de dólares. Até agora, o BC já rolou US$  2,046 bilhões, ou cerca de 20% do lote total, que corresponde a US$ 10,278 bilhões.

Para as empresas, a forte disparada do dólar pegou de surpresa até quem apostou em sua valorização. Empresas como a JBS, dona da marca Friboi, investiram pesado em contratos para proteger suas dívidas em dólar (hedge cambial). Agora não só estão blindadas, como vão colher cifras bilionárias em seus balanços.

Fonte: G1

Postagem Única 02 Mobile

Anunciantes