Dólar fecha em queda nesta terça com recuo no cenário global

O dólar fechou em queda nesta terça-feira (2), reagindo à recuperação dos preços de commodities e em linha com a baixa global da moeda norte-americana após o anúncio de novos estímulos fiscais no Japão, abaixo do que era esperado.

A moeda norte-americana recuou 0,18%, vendida a R$ 3,2661.

Acompanhe a cotação ao longo do dia:

Às 9h09, queda de 0,03%, a R$ 3,2708

Às 9h20, queda de 0,27%, a R$ 3,2629

Às 9h30, queda de 0,53%, a R$ 3,2546

Às 9h50, queda de 0,71%, a R$ 3,2487

Às 10h09, queda de 0,77%, a R$ 3,2465

Às 10h40, queda de 0,81%, a R$ 3,2452

Às 11h20, queda de 0,65%, a R$ 3,2507

Às 12h, queda de 0,46%, a R$ 3,2568

Às 13h, queda de 0,58%, a R$ 3,2531

Às 13h30, queda de 0,68%, a R$ 3,2495

Às 14h30, queda de 0,21%, a R$ 3,2650

Às 15h53, queda de 0,37%, a R$ 3,2598

Às 16h33, queda de 0,17%, a R$ 3,2663.

Os preços do petróleo voltaram a subir nesta manhã após acumularem queda de 10% em uma semana, mas investidores continuaram preocupados com o excesso de oferta global.

O movimento foi acompanhado de avanços nos preços de outras commodities relevantes para a América Latina, como o minério de ferro e o cobre. Nesse contexto, o dólar recuou em relação aos pesos chileno, mexicano e colombiano.

Outro fator que contribuiu para a queda global da moeda norte-americana foi o anúncio de US$ 132 bilhões em medidas fiscais no Japão, que decepcionou alguns investidores que esperavam ações mais contundentes, mas levou o dólar a perder terreno em relação ao iene.

Também ajudou a manter o dólar em queda nos mercados globais a alta de apenas 0,1% do índice de preços PCE nos Estados Unidos em junho, que reforçou a percepção de que os juros norte-americanos não devem voltar a subir tão cedo. “Os ventos externos estão ditando o movimento dos mercados brasileiros”, disse mais cedo o operador de uma corretora internacional, para a Reuters.

No cenário local, investidores acompanharam os passos do ajuste fiscal. Alguns demonstraram decepção após o governo aceitar alterar o projeto de renegociação da dívida dos estados para garantir sua aprovação no Congresso Nacional, cuja votação estava prevista para esta sessão.

Atuação do BC

Nesta manhã, o Banco Central novamente vendeu 10 mil swaps reversos, que equivalem à compra futura de dólares, repetindo a atuação que vem realizando quase diariamente desde o mês passado.

A moeda norte-americana na segunda-feira subiu mais no mercado brasileiro do que em seus pares, reagindo também à venda de 10 mil swaps reversos. O BC retomou a ferramenta após deixá-la de lado na sexta-feira, mantendo a estratégia de reduzir seu estoque de swaps tradicionais, correspondentes à venda futura de dólares.

Véspera

Na última sessão, o dólar subiu 0,89%, a R$ 3,2720 na venda.

Fonte: G1

Scroll Up