Doença transmitida por carrapato pode ter matado garoto de 10 anos

Escoteiros de Minas Gerais fazem homenagem a Thales (Foto: Escoteiros do Brasil – MG/Divulgação)

O Serviço de Vigilância Epidemiológica de Belo Horizonte foi notificado de uma morte que pode ter sido causada por febre maculosa, doença infecciosa transmitida pela picada do carrapato estrela. Segundo a Secretaria Municipal de Saúde, a notificação refere-se a Thales Martins Cruz, de 10 anos, que esteve internado no Hospital das Clínicas, na capital. O resultado de exame ainda é aguardado.

Thales era lobinho e participada das atividades dos Escoteiros do Brasil, seção Minas Gerais, há sete anos. Uma delas aconteceu no dia 20 de agosto, no Parque Ecológico da Pampulha, segundo o diretor de gestão institucional da entidade, Marcos Gomide. Os escoteiros decretaram luto de três dias em homenagem ao menino.

A Fundação Zoo-Botânica de Belo Horizonte divulgou nota informando que “ações preventivas, no sentido de evitar a incidência de carrapatos no Parque Ecológico da Pampulha, área de conservação ambiental, localizada na Avenida Otacílio Negrão de Lima, são realizadas periodicamente”.

Ainda segundo o órgão, toda a vegetação é podada e é feita irrigação de toda a área de visitação do parque, principalmente na época da seca. Em junho de 2013, o entorno foi cercado com o objetivo de impedir a circulação de animais hospedeiros de parasitas, como capivaras e cavalos.

A fundação também informou que a Gerência Regional de Controle de Zoonoses – Pampulha também realiza periodicamente, desde 2014, “atividades de vigilância epidemiológica, como a busca ativa do carrapato-estrela no ambiente com intuito de estudar e monitorar a população do potencial vetor da febre maculosa, o que orienta também as ações preventivas realizadas no parque”.

A análise do exame feito em Thales é feita pela Fundação Ezequiel Dias e deve ficar pronta em uma semana. Por meio de nota, o Hospital das Clínicas informou que o paciente foi internado no Centro de Terapia Intensiva (CTI) na última sexta-feira (2), e morreu dois dias depois.

Ainda segundo a secretaria, neste ano, 15 notificações por suspeita de febre maculosa foram descartadas, portanto não há nenhum caso confirmado da doença. Em 2015, foram recebidas 62 notificações e todos os casos investigados foram descartados para a doença.

Marco Zero, em frente ao Parque Ecológico, na Pampulha (Foto: Alex Araújo/G1 MG)Menino visitou o Parque Ecológico da Pampulha em agosto (Foto: Alex Araújo/G1 MG)

A doença

A febre maculosa é transmitida pelo chamado “carrapato estrela”. Esse animal tem como hospedeiros principais os cães, cavalos, as aves e capivaras. A doença se manifesta repentinamente acompanhada de vários sintomas, como febre alta, dor de cabeça, dores no corpo, náuseas e vômitos.

A doença tem um ciclo de incubação que dura de cinco a dez dias, até se manifestar. Um dos maiores problemas apontados pelos médicos é o fato de que os sintomas se parecem com os de outras doenças, como a dengue. A demora no diagnóstico pode levar à morte.

Fonte: G1

 

Scroll Up