Dioguinho, matador de aluguel de Botucatu, vira História em Quadrinhos; veja

AdSense Postagem 01

Postagem Única 01 Mobile

Depois que um dono de circo agrediu Joãozinho, seu irmão menor, que Dioguinho, então com cerca de 20 anos, entrou para o mundo do crime. Foi tirar satisfações e, durante a discussão, deu uma facada no peito do homem, que logo morreu. Na justiça, alegou que tinha agido em legítima defesa, falou que o rival havia sacado uma arma de fogo e, por isso, foi obrigado a esfaqueá-lo antes de ser baleado. A história colou.

Diogo da Rocha Figueira nasceu no mês de outubro de 1863, em Botucatu, cidade do interior de São Paulo, região que transformaria o seu nome em uma lenda do final do século 19. Na ficha de Dioguinho constam ao menos 24 assassinatos, mas há quem especule que a quantidade de pessoas mortas pelo homem ultrapasse a centena. Alternando acertos de contas pessoais e crimes sob encomenda, a fama do bandido se espalhou rapidamente pelos campos paulistas.

Mas Dioguinho não era um simples assassino. Agrimensor, também trabalhava em fazendas de café e por isso lidava com alguns dos homens mais poderosos do país. Os bons contatos lhe garantiam tanto encomendas de serviços macabros quanto a garantia de que a justiça não lhe colocaria atrás das grades.

Matava usando porretes, facões ou armas de fogo, compôs um grupo de bandidos para garantir o sucesso das ações e, após cada aniquilação, arrancava a orelha da vítima, pedaço do corpo que servia para provar que o serviço encomendado tinha sido executado. Dessas ironias típicas da história brasileira, o contato com gente influente fez com quem Dioguinho chegasse a ser nomeado oficial de justiça.

Somente quando abraçou uma tramoia que envolvia os próprios poderosos que o mundo criminoso de Dioguinho ruiu. Após cometer mais um assassinato, seu grupo violentou uma mulher, que acabou viajando para São Paulo para dar queixa contra os bandidos. Tinham ido longe demais. Policiais da capital partiram em busca daqueles meliantes caipiras. Era final de abril de 1897.

Encontraram o grupo próximo ao rio Mogi Guaçu, trocaram tiros, mataram alguns e viram Dioguinho fugindo em uma canoa. Por mais que tenham alvejado a embarcação, não conseguiram acertar o principal alvo, que pulou na água e sumiu. Os policiais garantiram que mesmo assim Dioguinho estava morto, mas jamais acharam seu corpo. Histórias dão conta de que muitas pessoas o viram depois disso em diversos lugares do país.

HQ inspirada no matador de aluguel

A história do lendário bandido já inspirou filmes e livros, como “Dioguinho – O Matador de Punhos de Renda” (Casa Amarela), do jornalista João Garcia, que passou cinco anos investigando os passos do assassino. Agora, uma nova representação da trajetória do matador de aluguel chega às livrarias: “Cão”, graphic novel de Breno Ferreira publicada pela Mino.

“Desde pequeno escuto relatos sobre o tal do Dioguinho e outras histórias parecidas com a dele nos encontros da família no interior. Esses causos sempre me interessaram, são daqueles contos que te prendem na cadeira do começo ao fim, algo mágico da narrativa oral”, diz o autor que, ao se aproximar das passagens relacionadas ao bandido, percebeu que poderia ser uma boa desenhá-las. “De um certo modo, eram bem pitorescas as atrocidades que o cara cometia”.

“Cão” é a primeira HQ longa produzida por Breno, que nasceu e foi criado no interior de São Paulo – primeiro em São José dos Campos, depois em Limeira. Desde 2012 ele atua como quadrinista, publicando tiras da websérie “Cabuloso Suco Gástrico” – que também já saiu em livro pela editora Elefante – e atuando junto ao coletivo Miolo Frito.

Para escrever e desenhar a história de Dioguinho, o artista conta que desde as primeiras pesquisas ficou claro que tudo relacionado ao assassino é uma espécie de mistura entre a realidade e as lendas que foram criadas com seu nome. “Isso acontecia em quase todos os materiais que encontrei, e era o que mais me interessava. Tem a ver, acho, com essa questão de ser uma história antiga e com poucos documentos disponíveis, o boca a boca substituiu as escrituras. Ainda bem, porque a coisa toda ganha muito com essa dualidade entre ficção e realidade”.

 

Veja algumas páginas de “Cão”:

Fonte: Pagina Cinco – Blogsfera – UOL

Postagem Única 02 Mobile

Anunciantes