Devotos do ‘mullet’ coroam seu rei em um peculiar campeonato na França

Um belga emergiu como o novo “rei” do “mullet”, o chamativo e improvável corte de cabelo dos anos 1980, em um incomum campeonato europeu realizado na França.

Venerado ou ridicularizado, o corte de cabelo “mullet” – curto na frente, comprido na região do pescoço – é mais do que um penteado para as 500 pessoas que compareceram ao festival em Chéniers, cidade do centro da França, no sábado.

“É um estilo de vida, poder rir de si mesmo”, disse Hubert, que viajou da Bélgica, onde o primeiro Campeonato Europeu de Mullet foi realizado há dois anos.

Os participantes exibiram seus estilos de cabelo ou fizeram fila para que estilistas profissionais cortassem seus cabelos.

Os organizadores disseram que a multidão teria sido maior se não fossem os limites de reuniões públicas impostos pela pandemia de covid-19.

E, pelo menos no caso dos homens, parece que o “mullet” fica melhor com costeletas proeminentes, barba comprida ou, pelo menos, bigode.

A pandemia pode até mesmo ter impulsionado esse corte, já que pessoas em todo o mundo aproveitaram o confinamento para experimentar novos estilos.

Cerca de 100 pessoas disputaram a coroa conquistada por Nicolas Vanderkelen (foto), um caminhoneiro belga que disse usar esse corte há 20 anos.

O “mullet” viveu sua época áurea na década de 1980, antes de ser considerado “inimigo” da elegância.

Cantoras populares como Rihanna e Miley Cyrus, assim como um número surpreendente de jogadoras da seleção inglesa de rúgbi, ajudaram a dar nova vida a esse corte.

Fonte: Yahoo!

Scroll Up