Dengue: Especialista explica quais são os sintomas e alerta: ‘qualquer pessoa pode morrer de dengue’

Os casos de dengue estão aumentando consideravelmente em todo o país. Somente nos primeiros meses de 2022, de acordo com o Ministério da Saúde, o crescimento no número de casos é 72% maior se comparado com o mesmo período do ano passado. De acordo com Silvia Fonseca, infectologista do Sistema Hapvida, a melhor maneira de evitar a doença é não deixar água parada dentro de casa. “O Aedes aegypti precisa apenas de um pouco de água para se procriar. É preciso prestar atenção em tudo, desde a piscina até aquele pouquinho de água de chuva que ficou na tampinha da garrafa pet. O uso de repelente também é indicado”.

A especialista alerta que qualquer pessoa pode morrer de dengue, mesmo quem está passando pela doença pela primeira vez e não apresenta qualquer fator de risco. “Todos os casos de dengue são sérios. No entanto, algumas pessoas precisam ter cuidados redobrados, pois podem desenvolver o estágio mais grave da doença. Os casos mais graves são registrados em crianças, especialmente as pequenas, pessoas com mais de 60 anos, gestantes, quem já teve dengue e pessoas que têm outras doenças como do coração e pulmão”, explica. 

Febre, dor forte na barriga, tontura ao se levantar, diminuição da diurese, sonolência e irritação exageradas, sangramentos espontâneos (na gengiva, por exemplo), vômitos recorrentes e manchas na pele são sintomas importantes. “Esses sinais acontecem, principalmente, entre o terceiro e quinto dia da doença. A pessoa deve procurar atendimento médico, fazer um hemograma para avaliar a necessidade da prescrição de soro diretamente na veia”, conclui.