21 fevereiro, 2024

Últimas:

Dengue, Chikungunya e Zika: conheça os sintomas de cada doença

O Brasil registrou em janeiro 243.721 casos prováveis de Dengue, segundo o Painel de Monitoramento de Casos de Arboviroses do Ministério da Saúde, atualizado na última quarta-feira (31). A doença infecciosa febril aguda sistêmica é transmitida pelo mosquito Aedes aegypti, vetor também de outros vírus como a Chikungunya e Zika. Os sintomas dessas enfermidades podem se confundir e dificultar o diagnóstico.

A Dengue é caracterizada pela febre alta e persistente acima de 38ºC, náuseas, vômitos, cefaléia, dor atrás dos olhos e manchas vermelhas no corpo. Contudo, existem quadros leves da doença que não apresentam todos os sintomas. “O tratamento, tanto para a Dengue, como para Zika e Chikungunya é sintomático, ou seja, utilizam medicamentos que aliviam os sintomas e alguns remédios precisam ser evitados caso exista a suspeita das doenças, sendo eles ácido acetilsalicílico (AAS), anti-inflamatórios e corticoides”, orienta a Dra. Raíssa de Moraes, médica infectologista da Afya.

A infecção pelo vírus da Zika se manifesta pela dor de cabeça, febre baixa, dores leves nas articulações, manchas vermelhas na pele, coceira e vermelhidão nos olhos. Geralmente, a doença não evolui para casos graves, diferentemente da Dengue, que pode chegar a casos como a Dengue hemorrágica. O risco pela Zika se dá especificamente para mulheres gestantes, que podem desenvolver a Síndrome Congênita associada à infecção pelo vírus, que causam um conjunto de anomalias congênitas em embriões ou fetos expostos à enfermidade durante a gestação.

Dores intensas nas articulações, como dedos, tornozelos e pulsos são os principais sintomas da infecção por Chikungunya. A doença apresenta, ainda, dor de cabeça, dor nas costas, coceira na pele e febre leve. A enfermidade pode evoluir para a forma crônica, quando os sintomas persistem por mais de 90 dias após o início dos sintomas. Em mais de 50% dos casos, a dor nas articulações torna-se crônica, podendo persistir por anos.

Em todas as três doenças, o diagnóstico depende de uma avaliação clínica cuidadosa e do resultado de alguns exames laboratoriais. Por isso, é importante buscar avaliação médica. De acordo com a médica infectologista da Afya, Dra. Raíssa de Moraes, a melhor forma de diferenciar as três doenças é prestar atenção em sintomas predominantes. “Na Dengue, a febre alta é predominante, enquanto na Zika pode ocorrer coceira pelo corpo. Já na Chikungunya as dores nas articulações são o principal sinal. É importante ficar atento pois os sintomas podem ser parecidos e no caso da Dengue, pode evoluir para casos graves, então é importante buscar avaliação médica”, explica.

Vacina contra a Dengue: um novo aliado no combate à doença

O Sistema Único de Saúde (SUS) passa a oferecer este mês a vacina contra a Dengue, Qdenga, imunizante desenvolvido pelo laboratório japonês Takeda Pharma, aprovado pela Anvisa. “Ela se mostrou eficaz e segura para os quatro sorotipos da doença e pode ser aplicada em pessoas entre 4 e 60 anos. Neste primeiro momento, o SUS irá oferecer apenas para crianças de 10 a 14 anos, que são o público com maior risco de internação e agravamento” explica a Dra. Raíssa de Moraes.

A vacina contém vírus vivos atenuados da Dengue. Por isso, ela induz respostas imunológicas e pode ser utilizada por quem já se infectou pela doença anteriormente de forma segura. Contudo, não podem ser imunizados quem possui alergia a algum dos componentes, quem tenha o sistema imunológico comprometido ou alguma condição imunossupressora, gestantes e lactantes.

Últimas

Gás natural chega ao Polo Gesseiro do Araripe

Gás natural chega ao Polo Gesseiro do Araripe

21/02/2024

Copergás inicia projeto piloto em abril e irá instalar terminal de regaseificação na região, que fica...

Categorias