Cristina Kirchner não assistirá à posse de Macri como presidente argentino

A presidente argentina, Cristina Kirchner, não assistirá, na próxima quinta-feira (10), à cerimônia de posse de seu sucessor, Mauricio Macri, eleito no dia 22 de novembro. Segundo o porta-voz oficial, Oscar Parrilli, a decisão foi motivada por a uma ordem judicial que determina o final de seu mandato à meia-noite de quarta-feira.

“Não estão dadas as condições para que a presidente compareça no Congresso (onde Macri tomará posse). Um promotor aceitou um pedido que determina o fim de seu mandato na quarta-feira. É um fato de gravidade institucional. Haverá vácuo de poder durante 12 horas”, afirmou em coletiva de imprensa Parrilli, frente à decisão do promotor Jorge Di Lello de aceitar um pedido do macrismo, que tenta pôr fim a uma disputa sobre a cerimônia de posse que começa ao meio-dia da quinta-feira.

Macri apresentou uma medida cautelar, que teve opinião positiva de Di Lello, que a colocou à disposição da juíza María Servini de Cubría para a decisão final.

Se a juíza aceitar o pedido, o presidente eleito será de fato o novo chefe de Estado e poderá dispor sem impedimentos ou discussões o modo da cerimônia de quinta-feira.

A ação judicial ocorre em meio ao forte conflito político entre as autoridades de entrada, liberais de direita, e as em fim de mandato, peronistas de centro-esquerda, embora a questão seja um simples protocolo.

Disputa

A disputa começou quando Macri pediu em uma ligação telefônica a Kirchner que o bastão de comando e a faixa presidencial fossem entregues na Casa Rosada (sede governamental) e não no Congresso, onde prestará juramento. Kirchner disse que na ligação Macri lhe faltou o respeito como mulher.

Cristina queria passar as funções presidenciais a Macri no Congresso, onde a esquerdista Frente para a Vitória, de Cristina, detém a maioria dos assentos.

No último sábado pela manhã a Casa Rosada insistiu, através de sua conta oficial no Twitter, que a cerimônia se realizaria ao meio-dia na sede do Congresso.

Já o programa do partido de Macri diz que ele sairá às 11h15 (horário local, 12h15 em Brasília) de sua casa rumo ao Congresso. Às 12h (13h) começa o ato de juramento na Assembleia Legislativa, no Congresso, e a cerimônia de transferência dos atributos do comando está prevista para ocorrer no salão Branco da Casa de governo a partir das 13h30 (14h30).

Exigências

Na semana passada, Macri disse que “parece que a ideia é preencher o processo de transição com obstáculos e criar tantos problemas quanto possível para o novo governo”.

“Ninguém entende porque Cristina Kirchner quer complicar as coisas até o último momento”, afirmou Rodríguez Larreta, que assume a Prefeitura de Buenos Aires na próxima quinta-feira para substituir Macri, a uma rádio local.

Aliados de Cristina reagiram dizendo que a aliança de Macri está fazendo exigências excessivas.

Fonte: G1

Scroll Up