Criminoso ataca mulher durante caminhada com marido em Tietê

Mulher afirma ter sofrido abuso sexual em rua do bairro onde mora (Foto: Reprodução/TV TEM)

Uma mulher sofreu uma tentativa de estupro quando caminhava com o marido por uma rua mal iluminada no Bairro São Roque em Tietê (SP). Os dois andavam quando um criminoso apareceu, a agarrou, bateu na mulher e mostrou uma suposta arma ao marido para evitar a reação. O casal conseguiu fugir antes que houvesse o ato sexual. O suspeito não foi preso após o registro de boletim de ocorrência.

A vítima explica que o casal usou a força e gritou para conseguir fugir da abordagem. “Ele veio por cima de mim, me agarrou muito forte e puxou meu braço. Tentou fazer um monte de coisa por cima da roupa. Meu marido foi tentar dar um soco e ele mostrou um negócio preto para meu marido e falou: ‘Sai de trás senão você vai ver o que vai acontecer!’ Acho que estava armado. Ele não conseguiu pegar a gente, porque corremos muito. Ele (criminoso) é meio alto, branco, mestiço e meio ‘encorpadinho’”, descreve.

O caso aconteceu no último domingo (20) e, mesmo sem haver o ato sexual, o caso foi registrado como estupro, afirma o delegado Jorge Eduardo Vasconcelos. “A lei hoje trata como estupro qualquer abordagem neste sentido. Vai desde um toque nas partes pudendas (íntimas) da pessoa, não importando se é homem ou mulher.”

A vítima conta que ficou machucada após o ataque. “Não tenho muita coragem de sair na rua, nem de casa. Aqui não tem muita iluminação ou ronda de polícia. Meu braço está todo inchado, dolorido”, diz a vítima.

A moradora reclama ainda que tentou chamar a Polícia Miltiar por duas horas até que pediu socorro na Guarda Municipal (GM). “Ficamos das 22h à 0h ligando para a PM, que atende em Sorocaba (SP), mas falavam para a gente que sempre estava chegando, mas não veio. Tenho parentes que estavam comigo de testemunhas. Os guardas me levaram ao hospital e depois à Polícia Civil para registrar boletim”, conta.

A PM afirma que não recebeu nenhum chamado em relação ao caso, porém denúncias de tráfico e perturbação de sossego são frequentes no bairro, diz o órgão. Além disso, a polícia diz que a ronda é realizada diariamente em todos os bairros da cidade e qualquer caso pode ser denunciado pelo telefone 190.

Reincidência no bairro

De acordo com a Secretaria de Segurança Pública (SSP), de janeiro a junho deste ano, foram registrados nove casos de estupro no município. Em 2014, o número total foi de 14. Porém, pesquisas internacionais apontam que só 35% das vítimas de estupro costumam relatar o episódio aos policiais, afirma a SSP.

Um exemplo é o caso de outra moradora do Bairro São Roque, em Tietê, que foi abordada por um homem desconhecido, correu pensando se tratar de estupro, mas não registrou nenhuma ocorrência. O caso foi em junho deste ano. Ela também não quer se identificar.

“Desci do ônibus, continuei andando em direção ao homem achando que era meu pai me esperando. Só que desconfiei porque ele estava de boné e meu pai não costuma usar. Continuei andando, só que a minha sorte foi que o cara falou: ‘É hoje!’ Se ele não tivesse falado as palavras eu continuaria. Voltei para trás e pedi socorro para o moço que trabalha na transportadora e ele me socorreu. Fiquei em estado de choque, pensei em desistir do meu curso. Ele não encostou em mim porque corri muito e voltei. Me machuquei, torci meu pé, mas ele não conseguiu me pegar”, relata.

O delegado Vasconcelos alerta sobre a o perigo de mulheres caminharem por ruas mal iluminadas. “Há locais pouco recomendados, há horários menos recomendados, porque os locais sem iluminação e com pouca movimentação são os escolhidos por pervertidos”, explica.

Fonte: G1

Scroll Up