03 março, 2024

Últimas:

Comunidades em Bangladesh e Mianmar se preparam para o pior com a intensificação do ciclone Mocha

Anúncios

Agências de ajuda em Bangladesh e Mianmar dizem que estão se preparando para o desastre e lançaram um plano de emergência massivo enquanto um poderoso ciclone se move em direção a milhões de pessoas vulneráveis, informou a CNN.

Desde que se formou na Baía de Bengala no início da quinta-feira, o ciclone tropical Mocha se intensificou para um furacão de categoria 4 no Atlântico, com ventos sustentados de 240 km/h. A tempestade está se movendo para nordeste a 22 km/h, de acordo com a atualização mais recente do Joint Typhoon Warning Center no sábado.

Anúncios

Espera-se que Mocha atinja a terra na tarde de domingo, horário local, provavelmente no estado de Rakhine, em Mianmar, e no Cox’s Bazar, no sudeste de Bangladesh, que abriga o maior campo de refugiados do mundo. Faixas externas já estão impactando Mianmar e Bangladesh trazendo chuva e ventos fortes para a região. Espera-se que as condições se deteriorem ainda mais, levando à chegada do ciclone em terra, o que traz ameaças de inundações e deslizamentos de terra.

Equipes de resposta a desastres e mais de 3.000 voluntários locais treinados em preparação para desastres e primeiros socorros foram colocados de prontidão nos acampamentos, e um sistema nacional de alerta precoce de ciclones está em vigor, de acordo com Sanjeev Kafley, chefe da delegação da IFRC Delegação de Bangladesh, em entrevista à CNN. Kafley disse que existem 7.500 kits de abrigo de emergência, 4.000 kits de higiene e 2.000 recipientes de água prontos para serem distribuídos.

Anúncios

Além disso, equipes móveis de saúde e dezenas de ambulâncias estão prontas para atender refugiados e bengaleses necessitados, com equipes especialmente treinadas de prontidão para ajudar idosos, crianças e deficientes, disse Arjun Jain, coordenador principal da Organização das Nações Unidas para a Resposta aos Refugiados Rohingya em Bangladesh.

“Esperamos que este ciclone tenha um impacto mais severo do que qualquer outro desastre natural que eles enfrentaram nos últimos cinco anos”, disse Jain. “Nesta fase, simplesmente não sabemos onde o ciclone atingirá a terra e com que intensidade. Portanto, esperamos o melhor, mas estamos nos preparando para o pior”.

As evacuações de pessoas em áreas baixas ou com problemas médicos graves começaram, disse ele. Em Mianmar, os moradores das áreas costeiras do estado de Rakhine e da região de Ayeyarwady começaram a buscar abrigo em escolas e mosteiros. Cerca de 500 mil pessoas podem acabar realocadas de suas casas.

Centenas de voluntários da Cruz Vermelha estão de prontidão e a agência está realocando pessoas vulneráveis e aumentando a conscientização sobre a tempestade em aldeias e municípios, disse Kafley, da IFRC.

A última tempestade a atingir o continente com força semelhante foi o ciclone tropical Giri em outubro de 2010, com força equivalente à categoria 4 e ventos máximos de 250 km/h. Giri causou mais de 150 mortes, e cerca de 70% da cidade de Kyaukphyu foi destruída. De acordo com as Nações Unidas, cerca de 15.000 casas foram destruídas no estado de Rakhine durante a tempestade.

O poderoso ciclone Mocha se aproxima da costa após um rápido fortalecimento (Foto: Tropical Tidbits)

Ciclone faz parte de tendência climática preocupante

Nas últimas décadas, houve um aumento na força dos ciclones tropicais que afetam países em partes da Ásia, e pesquisas recentes preveem que eles podem ter o dobro do poder destrutivo na região até o final do século. Enquanto os cientistas ainda estão tentando entender como as mudanças climáticas estão afetando os ciclones, uma série de pesquisas ligou o aquecimento global causado pelo homem a ciclones mais potentes e destrutivos.

Os ciclones tropicais (também conhecidos como furacões, tufões e tempestades tropicais, dependendo da bacia oceânica e da intensidade), alimentam-se do calor do oceano. Eles precisam de temperaturas de pelo menos 27 ºC para se formar, e quanto mais quente o oceano, mais umidade eles podem absorver.

As águas na Baía de Bengala estão atualmente em torno de 30 ºC, cerca de 2 graus mais quentes que a média de maio. À medida que a crise climática aumenta as temperaturas dos oceanos – que absorvem cerca de 90% do excesso de calor do mundo –, ela oferece condições ideais para que os ciclones ganhem força.

Oceanos mais quentes também aumentam as chances de ciclones se intensificarem rapidamente, de acordo com pesquisas recentes. O aumento do nível do mar alimentado pela mudança climática eleva os riscos, piorando as tempestades dos ciclones tropicais e permitindo que eles viajem mais para o interior. Bangladesh e Myanmar estão particularmente ameaçados porque são de baixa altitude, além de abrigar algumas das pessoas mais pobres do mundo.

Fonte: Um Só Planeta

Últimas

Ninguém acerta e prêmio da Mega-Sena vai a R$ 205 milhões

02/03/2024

Anúncios Ninguém acertou as seis dezenas do concurso 2.695 da Mega-Sena, realizado na noite deste sábado (02) no...

Categorias