Como o Dia do Saci quer rivalizar com o Halloween no Brasil

AdSense Postagem 01

Postagem Única 01 Mobile

Arteiro que só ele, o saci quer dar um jeito de se apropriar das abóboras do Halloween. E, como propagam os “saciólogos” Brasil afora, devorá-las feito escondidinho de carne-seca, numa receita nacional.

É o que prega o jornalista e geógrafo Mouzar Benedito, um dos criadores da Sociedade de Observadores de Saci (Sosaci), instituição fundada em 2003 para não deixar morrer a cultura do personagem, o negro de uma perna só, cachimbo na boca e carapuça vermelha na cabeça.

Incomodado com a, nas suas palavras, “invasão cultural representada pelo Halloween no Brasil”, ele e um grupo de amigos decidiram fundar a associação e lutar para que no mesmo dia se celebrasse o Saci.

Criaram um evento em São Luiz do Paraitinga, no interior paulista, e mobilizaram para que a cidade instituísse, desde aquele mesmo ano de 2003, uma lei municipal determinado que o dia 31 de outubro seria do Saci.

A iniciativa acabou sendo replicada em outros municípios e, no ano seguinte, lei semelhante também foi aprovada na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo.

“O Halloween foi imposto como uma coisa ideológica de propaganda, como marca do domínio da cultura dos Estados Unidos sobre nós”, justifica-se Benedito, à BBC News Brasil.

“Uma forma de domínio de um povo, de uma civilização, é mostrar e impor uma ideia de que a cultura do colonizador é melhor e maior do que a do colonizado.”

Quando deputado federal, o historiador Chico Alencar (PSOL-RJ) apresentou projeto de lei pretendendo que a data se tornasse uma comemoração nacional.

“O Halloween, que tem crescido nos centros urbanos brasileiros, é uma celebração que não tem nada a ver com a nossa cultura, com a nossa tradição. Quem adere ao Halloween aqui está fazendo uma pura imitação, é vontade de parecer desenvolvido a partir da concepção de que há povos desenvolvidos culturalmente e povos subdesenvolvidos”, diz ele, à reportagem.

Alencar defende que o saci é um símbolo brasileiro.

“Aquela figurinha perneta, ágil e brincalhona, assustadora para quem se julga muito sabichão e poderoso, que fuma o cachimbinho e vem no redemoinho com sua touca vermelho, que tendo uma perna só é ágil, é capoeirista, é o negro quilombola que foge de todas as armadilhas… É uma figura que precisa ser reconhecida e valorizada.”

No entender de Benedito, quando a festa do Dia das Bruxas — que tem origem celta, disseminou-se pelo mundo mas acabou mais popular em países anglófonos — começou a ser trazida ao Brasil, pelas escolas de inglês, isso não representava problemas.

“Porque é normal que uma escola de línguas queira inserir também o conhecimento da cultura do país”, pondera.

“Mas aí começou a ter uma coisa meio impositiva, agressiva, imperialista. Em São Luiz do Paraitinga havia Halloween até em escolas rurais… Acho que hoje em dia, apesar de a festa do Halloween ainda estar forte, o saci já compete um pouco.”

O personagem

Conta-se que o saci original não era negro — e nem pulava sobre uma perna só. Era uma figura indígena que guardava as florestas de Mata Atlântica.

Mas, assim como o próprio brasileiro, esse personagem acabou ganhando características de outras culturas. Assim, com os escravos, em sua maioria de origem africana, acabou se tornando negro. E foi da mitologia europeia que ele assumiu a carapuça mágica, na verdade um píleo, como dos duendes.

“Não podemos esquecer é que nosso país é pura miscigenação. Somos índios, somos africanos, somos europeus. O saci é a mais pura representação disso”, afirma à BBC News Brasil o professor e pesquisador Fernando Pereira, especialista em cultura brasileira da Universidade Presbiteriana Mackenzie.

“Os índios têm seres ‘mágicos’ que protegem as florestas. Os negros, na África e depois no Brasil, também acreditavam e ainda acreditam em seres protetores das matas, dos rios e animais. Os portugueses e outras culturas europeias trouxeram de seu imaginário seus seres que habitam as florestas da Europa, os duendes. Pois a figura do saci é o amálgama de tudo isso.”

Em seu Dicionário do Folclore Brasileiro, de 1954, o historiador e antropólogo Câmara Cascudo (1898-1986) apresenta o saci-pererê como uma “entidade maléfica em muitas, graciosa e zombeteira noutras oportunidades”.

“Pequeno negrinho, com uma só perna, carapuça vermelha na cabeça que o faz encantado, ágil, astuto”, descreve.

“Amigo de fumar cachimbo, de entrançar as crinas dos animais, depois de extenuá-los em correrias, durante a noite, anuncia-se pelo assobio persistente e misterioso, inlocalizável e assombrador. Pode dar dinheiro. Não atravessa água como todos os ‘encantados’.”

Cascudo atenta para o fato de que os cronistas coloniais “não o mencionam”, situando, portanto, o surgimento da lenda no século 19.

“Diverte-se, criando dificuldades domésticas, apagando o lume, queimando alimentos, espantando gado, espavorindo os viajantes nos caminhos solitários”, prossegue ele.

“Há muitas documentação sobre o saci, origem e modificações.”

O primeiro intelectual que se dedicou a traduzir da cultura oral para a escrita o mito do saci foi o escritor Monteiro Lobato (1882-1948).

Em 1917, ele pediu a leitores do jornal O Estado de S. Paulo — do qual era assíduo colaborador — que lhe escrevessem cartas respondendo a três questões: qual sua concepção pessoal do saci e como a recebeu na infância; qual a forma atual da crendice na região onde o leitor vivia; que histórias ou casos interessantes conhecia do saci.

Lobato compilou os relatos e publicou um livro, seu primeiro, chamado O Saci-Pererê: Resultado de um Inquérito. O personagem folclórico, contudo, não se esgotaria aí em sua obra. Na série infantil do Sítio do Pica-Pau Amarelo, o saci se tornou personagem recorrente — e emprestou seu nome ao título de um dos livros.

Se por um lado o escritor ajudou a materializar, no imaginário nacional, a figura do saci, por outro ele acabou optando por um viés negativo para caracterizá-lo.

“A representação de Monteiro Lobato, ao mesmo tempo que é um marco importante é também muito polêmico”, argumenta à reportagem a jornalista, poeta e gestora de projetos educativos e culturais Tatiana Fraga, uma das curadoras da exposição #OcupaSacy — atualmente em cartaz no Sesc Taubaté.

“Ele difundiu uma história muito específica do saci, carregado de racismo e de simbologias negativas. A gente vê essa simbologia.”

Fundador da Associação Nacional dos Criadores de Saci (ANCS), o tecnólogo José Oswaldo Guimarães diz que O Saci, de Lobato, foi o primeiro livro que eu leu na vida, quando criança. Ele ficou fascinado por aquele universo de lendas caipiras, interioranas, que também era muito presente em sua terra natal — ele é de Botucatu, no interior paulista.

Fonte: Diário da Amazônia

Postagem Única 02 Mobile

Anunciantes