Comerciantes de Angatuba reclamam da quantidade de pombos na cidade

Nas ruas e praças de Angatuba (SP) é comum encontrar pombos, mas eles têm causado incômodo a alguns comerciantes da cidade, principalmente na rodoviária.

É o caso da Lisandra Dulcine, que tem uma lanchonete e convive com a sujeira das aves diariamente. Ela limpa a calçada do comercio várias vezes, mas sabe que pode perder clientes por causa do número de pombos na região da rodoviária da cidade.

“Um dia tinha uma cliente que viajaria para São Paulo. Ela estava comendo e, quando foi embora, o pombo fez sujeira no cabelo dela. Ela precisou viajar daquele jeito”, conta.

As pombas montam ninhos em diversos lugares e não se incomodam com o fluxo de carros e pessoas. No entanto, segundo os comerciantes, a população de aves tem aumentado porque há pessoas que as alimentam.

Nas cidades, os pombos podem viver de três a cinco anos, mas em condições silvestres chegam a 15 anos.

Pombos incomodam comerciantes de Angatuba (SP) — Foto: Reprodução/TV TEM
Pombos incomodam comerciantes de Angatuba (SP) (Foto: Reprodução/TV TEM)

De acordo com a infectologista Tassiana Galvão, as aves se adaptam com facilidade e montam os ninhos em vários lugares. Com abrigo e alimentação conseguem se reproduzir até seis vezes ao ano. No entanto, apesar de ser o animal símbolo da paz, os pombos podem transmitir doenças graves para as pessoas.

A salmonelose e ornitose são doenças causadas por bactérias presentes nas aves, que acontecem pela ingestão de alimentos contaminados com as fezes dos animais.

Já a criptococose, histoplasmose são doenças provocadas por fungos encontrados nas fezes da ave, que se manifestam pela inalação do ar na região contaminada.

“A mais comum para a gente é a criptococose que pegamos através da inalação das fezes dos pombos. Além de dar lesões, agitação, dor de cabeça, náusea e vômito, ela simula a meningite”, conta a infectologista Tassiana Galvão.

Para tentar evitar problemas à saúde é preciso limpar com frequência as área atingidas pelas fezes, evitar varrer, usar desinfetante e água pra umedecer a sujeira, além de utilizar materiais de proteção durante a limpeza.

No entanto, para controlar a população de pombos, o método mais eficaz é evitar alimentá-los.

“Quanto mais alimentar o pombo, mais ele vai ficar aqui perto. Ele vai investir na reprodução e vai aumentar o número de pombos”, afirma o biólogo Victor Zanetti.

A Prefeitura de Angatuba disse que a Secretaria de Obras fez um levantamento dos pontos onde há pombos na rodoviária e informou que um orçamento está sendo feito com uma empresa especializada para fazer a instalação de telas e retirada das aves do local. No entanto, não há um prazo. A prefeitura também afirmou que vai realizar uma campanha para que os comerciantes não alimentem os pombos.

Região da rodoviária de Angatuba (SP) conta com grande número de pombos — Foto: Reprodução/TV TEM
Região da rodoviária de Angatuba (SP) conta com grande número de pombos (Foto: Reprodução/TV TEM)

Fonte: G1

Scroll Up