Artigo: Somos todos caveiras! – Por Lourival Panhozzi

AdSense Postagem 01

Postagem Única 01 Mobile

Nada de bom ocorre quando as pessoas estão mais preocupadas com suas diferenças do que com o que elas têm em comum.

A civilização hodierna, que grita por igualdade, é a que mais dá demonstrações de preconceitos em toda história da humanidade, de verdade, uma parte deles está naquele que grita primeiro.

A consciência de que ele existe, e existe de fato, faz algumas vezes da potencial vítima uma caçadora de seus indícios, busca-o nos olhos de outros, acaba encontrando-o no reflexo do seu próprio olhar.

Se perguntarmos as pessoas qual é a cor do céu, a maioria irá dizer que é azul claro, é isto que elas estão vendo, é nisto que elas acreditam.

Mas o céu é de cor escura, o azul que vemos não é do céu, é o resultado da dispersão da luz solar e outros fatores que nos fazem ver a cor azul, prova disto é que, quando recebemos imagens de astronautas no espaço, podemos observar um céu escuro, quase negro. Da mesma forma acontece com alguns casos de “preconceito cruzado”.

A pessoa vê ou imagina que o outro tem em relação a ela, algum preconceito, mas de fato não sabe qual é a verdadeira cor do seu sentimento.Não estou me referindo a um tipo específico de preconceito, falo deles de uma forma genérica, já que estes se apresentam de várias maneiras. Nem tão pouco estou defendendo um lado ou atacando o outro, estou apenas fazendo uma observação pessoal por acreditar na igualdade, e desta forma, gostar de um símbolo, que na minha opinião, melhor a representa: a Caveira.

Por baixo de nossas roupas e da nossa epiderme, duas coisas tão diferentes de uma pessoa para outra, mas cultuadas por muitos, somos todos iguais: Caveiras. Somos todos Caveiras, o tempo todo, isto não apenas nos faz iguais hoje, nos torna um só amanhã.

* Lourival Panhozzi é empresário, Diretor Funerario – Pres. Abredif/Sefesp -, Diretor do CTAF, Sistema Prever e Solucard. 

Postagem Única 02 Mobile

Anunciantes