China pede adiamento de casamentos e funerais são encurtados pelo coronavírus

A China pediu o adiamento dos casamentos planejados para o dia 2 de fevereiros e solicitou às famílias dos falecidos que encurtem os funerais para tentar impedir a propagação do coronavírus, que atravessou as fronteiras para outros países do mundo.

O apelo coincide com o anúncio do balanço atualizado de mortos, que subiu para 259, e infectados, que se aproxima de 12.000.

O dia 2 de fevereiro é considerado este ano como um dia de sorte para o casamento, pois o “02022020” é um número palíndromo.

Pequim, Xangai e outras cidades decidiram, antes do surto do coronavírus, abrir os cartórios para que os casais pudessem registrar seus casamentos, apesar da data cair em um domingo.

O Ministério de Assuntos Civis também solicitou em um comunicado que os funerais aconteçam “de maneira simples e rápida para evitar a congregação de pessoas” e que os corpos das vítimas do coronavírus sejam cremados o mais rápido possível.

Os encarregados pelos funerais terão que usar equipamento de proteção e medir constantemente a temperatura para evitar o risco de infecção, de acordo com o comunicado.

A China estabeleceu restrições drásticas às viagens e férias prolongadas por ocasião do Ano Novo – a principal festa do país, quando centenas de milhões de pessoas viajam para passar o recesso com a família – para tentar conter a propagação do vírus.

As faculdades e universidades do país também adiaram o retorno às salas de aula. As autoridades pediram aos trabalhadores que adiem a volta ao trabalho e às pessoas em geral para que evitem aglomerações.

Mais de 50 milhões de pessoas na província de Hubei, onde o vírus foi inicialmente detectado, estão isoladas desde a suspensão de todos os transportes pelas autoridades.

As autoridades de Hubei anunciaram neste sábado que também suspenderão os registros de casamento a partir de segunda-feira até novo aviso.

Vários países, incluindo Estados Unidos e Austrália, proibiram a entrada de estrangeiros que viajaram para a China nas últimas duas semanas.

Fonte: Yahoo!

Scroll Up