Cemitério de botijões de gás assusta habitantes da Cidade do México

Quase todas as noites, César e sua esposa saem de seu apartamento devido ao forte cheiro de gás que parte de um enorme cemitério de botijões na Cidade do México.

Além de afetar a qualidade de vida, eles temem que o gás liquefeito de petróleo (GLP, para uso doméstico) que escapa dos botijões cause uma explosão ou os deixe doentes.

“O cheiro é tão forte à noite, tão insuportável, que parece que o fogão não está bem fechado”, diz César Rivera, de 37 anos, à AFP.

Imagem aérea mostra 'cemitério de botijões de gás' na Cidade do México
Imagem aérea mostra ‘cemitério de botijões de gás’ na Cidade do México (Foto: Reprodução)

Imagens aéreas da AFP mostram milhares de antigos botijões multicoloridos acumulados no pátio de uma antiga refinaria da estatal Pemex, cercada por bairros populares da zona oeste da capital.

Os botijões, com capacidade de 20 a 30 quilos e hoje expostos a altas temperaturas, acentuam a imagem de abandono da usina 18 de Marzo, que não é usada desde 1991.

“A administração do prédio nos pediu para não fumar e não usar os queimadores do fogão quando o cheiro estiver mais forte”, disse César. “Mudou completamente a nossa vida.”

Este programador diz que convive com o problema há oito meses, mas só em janeiro souberam que o cheiro vinha do antigo complexo.

Imagem aérea mostra 'cemitério de botijões de gás' na Cidade do México
Imagem aérea mostra ‘cemitério de botijões de gás’ na Cidade do México (Foto: Reprodução)

Acúmulo traz riscos

Inodoro, o GLP é composto de butano e propano, mas é misturado com mercaptano para que seu cheiro nauseante permita que seja detectado.

A Comissão Nacional para o Uso Eficiente de Energia diz, em seu site, que os gases produzidos pela combustão não são tóxicos ou cancerígenos, mas alerta que, em caso de vazamentos, há a formação de “nuvens” que podem ser explosivas e provocar sufocamentos.

Os botijões foram colocados ali pela empresa governamental Gas Bienestar – criada em 2021 para ampliar a concorrência no setor –, após a troca gratuita de botijões velhos ou danificados por novos e brancos.

Em janeiro, o governo da Cidade do México afirmou em comunicado que a Pemex estava em processo de remoção dos equipamentos.

Procurada pela AFP, a empresa afirmou que “não há agenda para entrevistas no momento”. A Defesa Civil também não respondeu a um pedido de informações sobre os riscos.

“Sentimos vontade de vomitar e fortes dores de cabeça”, diz José Juan Macías, de 44 anos, em sua marcenaria ao lado. À tarde, fecha todas as janelas, apesar do calor.

“Eles dizem que não está acontecendo nada, mas todos nós achamos que há algum perigo, então sempre tomamos precauções por medo de uma explosão”, acrescenta.

‘Bomba-relógio’

Os bombeiros da central de Tacuba recebem relatórios diários de vazamentos de gás, mas na realidade é dos botijões.

“Fomos à antiga refinaria, mas eles não nos atendem”, diz o chefe dos bombeiros, César Suárez, que alerta que a falta de informação e coordenação limita o desenvolvimento de um plano de emergência.

Ricardo Torres, pesquisador do Instituto de Ciências Atmosféricas da Universidade Nacional Autônoma do México (UNAM), explica que, uma vez misturados, os componentes “não podem ser separados”.

“Se os vizinhos da refinaria sentem o cheiro o tempo todo, é porque os botijões ainda têm resíduos de todos os elementos”, observa.

Torres alerta ainda que o GLP contribui para a formação de ozônio, que ao nível do solo é um poderoso poluente para as pessoas e o meio ambiente.

É “uma bomba-relógio”, adverte César Rivera.

Fonte: Yahoo!