Caixão misterioso aparece em frente a prefeitura de Cubatão

AdSense Postagem 01

Postagem Única 01 Mobile

Um caixão misterioso apareceu em frente a prefeitura de Cubatão (SP), nesta terça-feira (23). O caixão estava em cima de duas carteiras escolares, além dele, uma coroa e flores e duas velas chamaram a atenção.

Faça parte do nosso grupo no WhatsApp ➤ http://bit.ly/Guarujáinfo2 E receba matérias exclusivas. Fique bem informado! 📲

De acordo com informações, este ato inesperado é um protesto de pais, professores e estudantes de Cubatão, contra o fechamento de duas escolas municipais da cidade. O protesto ocorreu por volta das 15h, em frente ao paço municipal.

Os manifestantes relataram que o caixão simboliza a falência do ensino municipal da cidade, que sofrerá grandes impactos negativos com o fechamento das Unidades Municipais de Ensino (UME) Martim Afonso de Souza, no bairro Jardim Nova Republica, e da UME Estado de Alagoas, no Pinhal do Miranda.

O representante do movimento Por uma Escola Popular (MEP) de Cubatão, Hamilton Pereira, revela que a prefeitura só tem planos de demolição, e não de reconstrução das unidades de ensino.  “As duas escolas foram fechadas sob a alegação de reforma, há um edital de demolição dessas unidades, e só. Não tem projeto, planta, mais nenhum documento que comprove a reabertura das escolas. Então, nosso ato aqui é pela reforma das escolas”.

A Secretaria Municipal de Educação esclarece que as UMEs Martim Afonso (Jardim Nova República) e Estado de Alagoas (Pinheiro do Miranda) serão reconstruídas por apresentarem problemas de infraestrutura nos prédios. A titular da pasta, Márcia Regina Terras Geraldo, frisa que os alunos não estão sem aula, tampouco desassistidos pelo município. Além disso, não procede a informação de que há outras unidades com aulas paralisadas ou “em análise”.

A UME Martim Afonso teve as atividades suspensas devido a uma ação judicial movida pelo Ministério Público (MP) que alegou problemas na infraestrutura do prédio. De acordo com o MP, o local não foi projetado para atividades educacionais; era um alojamento e canteiro de obras que foi adaptado para ser escola.

Os alunos da UME Martim Afonso foram remanejados para outras unidades municipais e estaduais no mesmo bairro, conforme a proximidade da residência dos alunos. Somente 60 alunos do terceiro ano foram recolados para a UME Bernardo José Maria de Lorena, na Vila Nova.

Já a UME Alagoas apresentou problemas estruturais e, para sanar o problema e evitar medidas paliativas, a escola também será reconstruída. Portanto, a unidade foi transferida para um prédio anexo da Escola Estadual Zenon Cleantes de Moura, na Fabril.

Vale frisar que as aulas na rede municipal seguem de maneira remota por conta da pandemia do coronavírus.

Fonte: Costa Norte Sistema de Comunicação

Postagem Única 02 Mobile

Anunciantes