Internado em Botucatu, cachorro que foi enterrado vivo passa por cirurgia de 5 horas para reconstrução do pescoço

O cachorro que foi resgatado após ser enterrado vivo em um terreno às margens da Rodovia Antônio Romano Schincariol, entre Boituva e Tatuí (SP), passou por uma cirurgia de reconstrução do pescoço que durou mais de cinco horas nesta quarta-feira (16), em um clínica de Botucatu, onde ele está internado.

Leia Mais:

Cachorro enterrado vivo está internado em Botucatu. “Foi lançado para morte”, diz presidente de ONG

Casal encontra cachorro enterrado vivo às margens de rodovia no interior de SP

De acordo com a União Protetora dos Animais(UIPA), o animal tinha um corte profundo e o procedimento foi difícil, já que teve que retirar parte da pele para enxertar os ferimentos do pescoço, que ficou infeccionado após a mutilação e contato com a terra.

“A cirurgia demorou mais que o esperado, foi delicada, por conta também da traqueia estar toda dilacerada. Ele está com sonda e na recuperação” , contou a presidentes da ONG, Fernanda Nery.

Após cirurgia de reconstrução, cachorro que foi enterrado vivo em Tatuí (SP) se alimenta com ajuda de sonda. — Foto: União Protetora do Animais/ Divulgação
Após cirurgia de reconstrução, cachorro que foi enterrado vivo em Tatuí (SP) se alimenta com ajuda de sonda. (Foto: União Protetora do Animais/ Divulgação)

Apesar do procedimento invasivo, o Menino, nome dado pela equipe da UIPA, resistiu e está sendo monitorado por profissionais. Por conta da cirurgia, o animal está se alimentando por meio de sonda esofágica.

“O caso dele é grave, mas aguentou a cirurgia e isso já é um grande sinal. Precisamos torcer para que os rins melhorem, para a cicatrização, para os antibióticos fazerem efeito e para que o enxerto se adeque a região. Se Deus quiser, ele ficará bem”, explica Fernanda Nery.

Enterrado vivo

De acordo com a UIPA, o animal de aproximadamente 6 anos foi encontrado no domingo (12) por um casal de Itapetininga (SP). Segundo o boletim de ocorrência, os moradores viram uma pessoa com uma enxada nas mãos, na altura do quilômetro 28, e pararam para verificar a situação.

Cachorro é enterrado vivo em Itapetininga (SP) — Foto: União Protetora dos Animais (UIPA)/ Divulgação
Cachorro é enterrado vivo em Itapetininga (SP) (Foto: União Protetora dos Animais (UIPA)/ Divulgação)

Conforme o BO, o casal fez perguntas ao homem, mas ele colocou a enxada no porta-malas do carro e saiu rapidamente do local. Logo depois, os moradores encontraram um monte de terra com uma pequena parte da cabeça do cachorro, que agonizava, segundo a associação.

Ainda de acordo com o registro policial, o casal cavou o buraco e resgatou o cão. Os moradores continuaram a viagem que faziam até a casa de parentes em Boituva e, na segunda-feira (13), levaram o animal até o Ambulatório Municipal Pet de Itapetininga

Antes de ser enterrado vivo em Itapetininga (SP), cachorro foi esfaqueado.  — Foto: União Protetora dos Animais de Itapetininga/ Divulgação
Antes de ser enterrado vivo em Itapetininga (SP), cachorro foi esfaqueado. (Foto: União Protetora dos Animais de Itapetininga/ Divulgação)

Segundo a prefeitura, o cão da raça Dachshund (conhecida popularmente como “salsicha”) recebeu cuidados como aplicação de soro, assepsia, sedação e curativo. Depois, em parceria com a UIPA, ele foi transferido para uma clínica em Botucatu para tratamento especializado.

Um boletim de ocorrência por maus-tratos foi registrado na terça-feira (14) na delegacia de Tatuí, e o caso é investigado pela Polícia Civil.

A prefeitura disse ainda que, como testemunhas do atendimento, os profissionais do Ambulatório Municipal Pet estão à disposição das autoridades competentes para colaborar nas investigações do caso.

Cachorro que foi enterrado vivo foi resgatado e recebeu atendimento veterinário no Hospital Municipal Pet de Itapetininga (SP) — Foto: União Protetora do Animais de Itapetininga/ Divulgação
Cachorro que foi enterrado vivo foi resgatado e recebeu atendimento veterinário no Hospital Municipal Pet de Itapetininga (SP) (Foto: União Protetora do Animais de Itapetininga/ Divulgação)

Fonte: G1

Scroll Up