Brasileira morta pelo ex nos Estados Unidos já foi colega de escola do assassino, diz família

Cleucilene Alves da Silva de 41 anos, a brasileira de Açucena, no Leste de Minas, que foi morta pelo ex-namorado no última sexta-feira (31) em Worcester, em Massachusetts, era colega da infância do assassino. De acordo com o irmão de Cleucilene, ela e Antônio Lucas, de 40, tinham estudado juntos e tiveram um breve relacionamento enquanto moravam no Brasil.

A reportagem conversou com José Carlos Alves, irmão da vítima. Ele disse que Cleucilene morava nos Estados Unidos há mais de 14 anos e ainda não tinha conseguido a legalização no país. “Ela falava que estava com saudades da família e que queria vir ao Brasil. No ano passado ela conseguiu levar o filho mais velho para morar com ela, eles não se viam há 14 anos, ela falava sempre que queria vir ao Brasil para ver a família e o outro filho que está aqui, com o pai”, conta.

Ainda de acordo com José Carlos, a família ainda não está conseguindo acreditar no que aconteceu. “Nós estamos completamente sem chão, parece que a ficha não caiu. Recebemos a informação, mas perece que não é uma pessoa da nossa família. Já vimos esse caso com várias pessoas, mas quando acontece com a nossa família é diferente né”, disse.

O irmão conta ainda que após o breve namoro que tiveram no Brasil, Cleucilene e Antônio voltaram a ter um relacionamento nos Estados Unidos. Lá, o casal conseguiu comprar uma casa e um carro, que estavam no nome dos dois.

Uma amiga da vítima, que também mora em Worcester, afirmou ao G1que os dois estavam brigando muito por causa desses bens. “Os dois compraram a casa juntos, enquanto namoravam, mas desde que eles decidiram terminar o namoro que os desentendimento começaram, porque ele não queria mais morar junto com a Cleo, e também não queria sair da casa”, afirmou a amiga, que preferiu não se identificar.

Ainda de acordo com a amiga, o ex-namorado era uma pessoa agressiva e já tinha agredido Cleucilene enquanto eles namoravam. O filho da vítima, que estava morando nos Estados Unidos há pouco mais de um ano, também não se dava bem com Antônio.

“A Cleo tinha o sonho de conseguir trazer os filhos pra morar com ela. Depois de muito trabalho ela conseguiu trazer o filho mais novo, mas quando o Antônio chegou, eles passaram a brigar, não se dava bem com ele. Para tentar evitar o pior ela arrumou outro lugar para o filho ficar”, afirmou a amiga.

A noite do crime

De acordo com a amiga de Cleucilene, no dia 31 a vítima teria convidado um casal de amigos, de Boston, para fazer uma visita. Quando Antônio chegou em casa e viu que eles estavam lá, teria ficado nervoso e mandado as visitas embora.

Cleucilene começou a discutir com o ex-namorado, dizendo que a casa também era dela. Antônio foi até o quarto onde ele dormia e pegou uma faca. Ainda de acordo com a amiga de Cleucilene, ele voltou com faca na mão e falou que iria mostrar quem realmente era o dono da casa. Foi quando Antônio começou a esfaquear a vítima. Ela só teve tempo de pedir para que os amigos corressem e acionassem a polícia, segundo a amiga.

Translado e velório

José Carlos informou que os familiares estão aguardando a liberação da polícia americana para que corpo seja trazido para o Brasil. “Esse processo ainda não tem data para acontecer, pode ser três dias, oito, nós ainda não temos certeza. Mas só estamos aguardando essa liberação para trazer o corpo”, disse o irmão.

Assim que o corpo de Cleucilene for liberado, os amigos dela que estão em Worcester vão realizar um velório antes de enviar o corpo para o Brasil.

Fonte: G1