Namorado confessa ter estrangulado técnica de enfermagem achada morta em casa no interior de SP, diz polícia

AdSense Postagem 01

Postagem Única 01 Mobile

O namorado da técnica de enfermagem Kelly Christina Parreira, de 40 anos, encontrada morta em Sorocaba (SP), confessou à Polícia Civil nesta quarta-feira (10) que estrangulou a vítima por ciúme.

Leia Mais:

Técnica de enfermagem é encontrada morta dentro de casa em condomínio de Sorocaba

Polícia tenta identificar quem escreveu carta achada com mulher morta em casa no interior de SP

De acordo com a Delegacia de Investigações Gerais (DIG), Alisson Raszejas foi localizado depois de ter sido visto descendo de um ônibus, em Itapetininga (SP). Segundo a delegada Luciane Bachir, ele teve a prisão temporária decretada e foi indiciado formalmente.

Na mala que o homem carregava, segundo a PM, foram encontradas roupas e alguns remédios de uso controlado para depressão, além de um documento e dois cartões no nome da vítima.

O corpo de Kelly foi encontrado pela mãe dela em um condomínio localizado no Jardim Tropical, na última quinta-feira (4). A mulher, que apresentava lesões no pescoço, havia se mudado para a residência com o namorado há pouco tempo.

Namorado foi preso na rodoviária de Itapetininga — Foto: Claudia Prates/TV TEM
Namorado foi preso na rodoviária de Itapetininga (Foto: Claudia Prates/TV TEM)

Morta em casa

A vítima foi achada após ficar dois dias sem atender ligações da família, que mora em Itapetininga (SP). A situação preocupou a mãe, que foi até a casa dela, em um condomínio na zona oeste de Sorocaba.

Ainda de acordo com a delegada, a primeira pessoa a encontrar a vítima sem vida foi a mãe. Kelly estava deitada na cama, com lesões no pescoço e o corpo parcialmente coberto. A janela do cômodo estava encostada.

Segundo Bachir, Kelly chegou a contar para parentes e amigos que era agredida pelo companheiro.

De acordo com a família, o casal estava junto há cerca de um ano e, aparentemente, os dois mantinham um relacionamento tranquilo.

A investigação aguarda os laudos do Instituto Médico Legal e do Instituto de Criminalística sobre o caso. A DIG também pediu um exame toxicológico que irá identificar se havia alguma substância no sangue.

Uma carta foi recolhida na cena do crime e também passa por perícia.

O enterro foi realizado no dia 6 de julho em um cemitério particular de Itapetininga. Amigos e parentes participaram da cerimônia.

Carta foi recolhida pela Polícia Civil em Sorocaba — Foto: Arquivo
Carta foi recolhida pela Polícia Civil em Sorocaba (Foto: Arquivo)

Fonte: G1

Postagem Única 02 Mobile

Anunciantes