Justiça condena adolescente acusado de matar a menina Raíssa por feminicídio e estupro de vulnerável

AdSense Postagem 01

Postagem Única 01 Mobile

A 1ª Vara Especial da Infância e da Juventude de São Paulo condenou o adolescente acusado de ter matado e estuprado a menina Raíssa Eloá Caparelli Dadona, de 9 anos, em 29 de setembro, no Parque Anhanguera, na Zona Norte de São Paulo, por homicídio qualificado e estupro de vulnerável. O jovem cumprirá medida socioeducativa de internação por prazo determinado.

A decisão da justiça julgou procedente a representação proposta pelo Ministério Público do Estado de São Paulo. O adolescente de 12 anos foi condenado por homicídio qualificado, pois a justiça entendeu que houve morte por asfixia, uso de recurso que dificultou a defesa da vítima, feminicídio praticado contra menor de 14 anos e homicídio para ocultação ou impunidade de crime antecedente.

A decisão foi proferida nesta quarta-feira (6). Como o jovem cumprirá medida socioeducativa de internação por prazo determinado, de acordo com o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), o período máximo de internação é de três anos, devendo sua manutenção ser avaliada a cada três meses.

A audiência de instrução do adolescente aconteceu na última sexta-feira (1), o jovem já estava em internação provisória na Fundação Casa, no Brás, no Centro da capital. O juiz José Souza Neto, da 1ª Vara Especial da Infância e Juventude do Fórum do Brás, ouviu 10 testemunhas e o garoto. A perícia concluiu que a vítima foi estuprada e morta por asfixia mecânica.

O caso

Raíssa Eloá Caparelli Dadona foi encontrada morta na tarde de um domingo, dia 29 de setembro, após desaparecer em uma festa em um Centro Educacional Unificado (CEU) municipal na região de Perus.

Um vídeo obtido pela Polícia Civil mostrou a menina andando com um adolescente de 12 anos instantes antes de ser encontrada morta. O menino passou a ser considerado suspeito, apresentou versões diferentes em depoimentos e terminou confessando o crime.

Vídeo mostra menina Raíssa andando com adolescente antes de ser morta
Vídeo mostra a menina Raíssa de mãos dadas com adolescente em Perus (Fotos: TV Globo/Reprodução)

Filmes de terror

“Temos informações da maneira com que ele se inspirou para cometer essa crueldade com essa menina, temos informes de que ele assistia a inúmeros filmes de violência e de terror, não vou comentar quais os filmes, mas constam no inquérito policial”, afirmou o delegado Luiz Eduardo Maturano, da 5ª delegacia do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).

Segundo Maturano, “neste período de investigação, tivemos relatórios ofertados pela escola para o Conselho Tutelar sobre comportamento inadequado, obsceno e agressivo, principalmente com meninas, em um caso ele agrediu um menino especial na turma dele.”

Mãe de Raíssa relata dia em que menina foi morta na Zona Norte de SP
Rosevânia disse que a filha e o adolescente eram muito próximos (Foto: TV Globo/Reprodução)

Adolescentes eram próximos

Raíssa e o adolescente eram muito próximos, de acordo com a mãe da menina, Rosevânia Caparelli Rodrigues, e vizinhos no bairro do Morro Doce, Zona Norte da cidade. Os dois moravam na mesma rua, a menos de cem metros de distância.

Segundo a mãe de Raíssa, o adolescente falava pra todo mundo que a menina tinha autismo. “Minha filha era muito rígida, ela não ia com ninguém. Nem com minha irmã nem com meu cunhado. Ela confiava nele”.

Amigos da família contam que os dois estavam tão apegados que a mãe de Raíssa levou o menino a um culto, junto com filha, no mês passado, em uma igreja evangélica no Jardim Britânia.

Fonte: G1

Postagem Única 02 Mobile

Anunciantes