Guilherme Karan segue internado com doença rara: ‘Não fala mais’, diz pai

AdSense Postagem 01

Postagem Única 01 Mobile

Guilherme Karan em O Clone (Foto: Divulgação/TV Globo)

A partir da noite desta quarta-feira, 27, os saudosistas do humorístico “TV Pirata”, exibido na Rede Globo nos anos 80, poderão matar a saudade do programa. O Canal Viva reprisará episódios da atração que trazia em seu elenco Claudia Raia, Regina Casé, Ney Latorraca, Debora Bloch, Luiz Fernando Guimarães, entre outros. Na telinha, será possível também matar as saudades de Guilherme Karan.

Aos 57 anos, Guilherme encontra-se há 1 ano e meio internado no Hospital Naval Marcílio Dias, no Lins de Vasconcelos, Zona Norte do Rio. O ator é portador da síndrome de Machado-Joseph, uma doença neurológica rara e hereditária que faz com que a pessoa perca a capacidade motora. A doença foi passada a Guilherme pela mãe, que também morreu da síndrome. Além do ator, todos os outros três irmãos de Karan apresentaram a doença. Dois já morreram e a mais nova, Luciana, de 48 anos, também está doente.

O almirante da Marinha Alfredo Karan, pai de Guilherme, está com 90 anos e contou ao Ego que não deixa de visitar o filho no hospital. “Consegui que ele ficasse internado no Marcílio Dias. Lá ele é muito bem tratado. Guilherme perdeu as funções motoras. Não fala, não anda mas é completamente lúcido”, disse.

Guilherme Karan como Geraldito, na novela América, em 2005 (Foto: Divulgação/TV Globo)
Guilherme Karan como Geraldito, na novela América, em 2005 (Foto: Divulgação/TV Globo)

Alfredo lembra que o ator começou a manifestar os primeiros sintomas da síndrome Machado-Joseph quando atuava em “América”, novela escrita por Glória Perez e exibida em 2005. Na trama, Karan vivia Geraldito. “A perda do equilíbrio é o primeiro sintoma. Depois vêm os outros degenerativos. No início ele estava aqui em casa comigo e não queria receber visitas. Mas na época o convenci a deixar que os amigos viessem vê-lo. Glória Perez, Tessy Callado… São algumas que sempre o procuraram.”

Durante uma visita ao filho, o almirante o encontrou chorando ao assistir na TV uma cena em que contracenava com Lima Duarte na novela “Meu bem, meu mal”. “Ele sofre muito em não poder trabalhar mais.”

Por ser uma doença rara, o pai do ator explica que na lista de prioridade da ciência para a descoberta da cura estão o Mal de Alzheimer o Mal de Parkinson. “Eles desconsideram a síndrome, por atingir poucas pessoas. O que torna mais difícil a sua cura”, lamenta Alfredo que vê a neta apresentando a mesma doença. “Minha neta, filha da minha filha que está com a síndrome começou a aprepsentar o problema de desequilíbrio. Ela tem 28 anos.”

Morando sozinho na Zona Oeste do Rio, Alfredo se reveza na visita aos filhos e atribuiu a boa qualidade de vida do passado a coragem para aguentar a dor de ver a família morrer com a mesma doença da mulher. “Enquanto Deus me der forças, vou sobrevivendo.”

Entenda a doença

A síndrome de Machado-Joseph, também é conhecida como ataxia espinocerebelar do tipo 3 (ou SCA 3). É uma doença crônica hereditária dominante, com pelo menos três gerações de uma mesma família afetadas. As chances de ser transmitida do pai para o filho é de 50%.

A doença se manifesta no indivíduo entre 35 e 50 anos, podendo surgir mais tarde ou mais cedo conforme a gravidade. A incidência é de 0,3 a 2 pessoas acometidas a cada 100 mil habitantes no mundo.

Guilherme Karan no humorístico TV Pirata, em 1988 (Foto: Divulgação/TV Globo)
Guilherme Karan no humorístico TV Pirata, em 1988 (Foto: Divulgação/TV Globo)

Fonte: Ego

Postagem Única 02 Mobile

Anunciantes