Luto: Literatura de Botucatu perde os versos de Mara Poeta

AdSense Postagem 01

Postagem Única 01 Mobile

A literatura botucatuense está em luto. Morreu na manhã desta segunda-feira, 9, a professora e escritora Maria Inez Stringheta, aos 68 anos. Conhecida pela sua atuação nas salas de aula e na poesia, a artista também era conhecida como Mara Poeta.

Professora por vocação, tinha na literatura uma de suas maiores paixões. Foi uma das criadoras, em 2001, da Associação dos Poetas e Escritores de Botucatu (Apeb), entidade onde participou de coletâneas e eventos literários. Estava afastada da associação para se dedicar a outros projetos pessoais e profissionais.

Mara Poeta foi autora de obras, como: Magia e Poesia (poemas), Pensando em Você… (mensagens e pensamentos), Luzia, menina-poesia (poema ilustrado com desenhos manuais) e Admirável Mundo Feminino de Botucatu (coletânea sobre os 150 anos de Botucatu, em 2005). A escritora também colaborou com diversos jornais e veículos na imprensa botucatuense e representou o município em algumas edições do Mapa Cultural Paulista.

“Tenho o hábito de ler, desde os meus oito anos e leio poetas brasileiros, poetas portugueses, além de romancistas nacionais e internacionais. A leitura é companhia constante, uma extensão do meu ser. E por amar demais esses momentos solitários e silenciosos dedicados às artes literárias, comecei a escrever. Em primeiro lugar eu fiz cadernos de “Diário”, posteriormente dediquei-me às poesias. Vez ou outra, crio contos. Estou a escrever romances, os quais ainda não sei se os publicarei. Considero-me eterna aprendiz das letras”, escreveu Mara ao site Escritas.org, onde mantém algumas de suas obras.

Jeniffer de Almeida Donida, presidente da Associação dos Poetas e Escritores de Botucatu (APEB), ressaltou a vocação e paixão de Marinez pela literatura. “Uma poeta que via a beleza da vida até numa fria pedra.

Um ser humano com a simplicidade de uma flor. A melhor professora de português que tive o prazer de durante anos estar ao lado da APEB revisando centenas de poesias. A dor de não a ter mais presente é imensurável. Deus a acolha em seu mais lindo jardim florido tanto quanto a beleza de sua alma”, escreveu em seu perfil no Facebook.

Notícias Botucatu – Flávio Fogueral

Postagem Única 02 Mobile

Anunciantes