Botucatu: Manifestantes vão às ruas contra cortes na educação

AdSense Postagem 01

Postagem Única 01 Mobile

Estudantes, professores, pesquisadores e profissionais da educação ocuparam novamente as ruas de Botucatu para pleitear mais recursos na Educação.

O ato, realizado na tarde desta terça-feira, 13, reuniu dezenas de pessoas com manifestações contrárias ao contingenciamento (congelamento) no financiamento de pesquisas e do custeio de universidades e repasses para a Educação, conforme anunciado pelo governo Bolsonaro.

Munidos de cartazes pedindo maior investimento na área, os manifestantes desceram a rua Amando de Barros, onde ocorreu também distribuição de panfletos contra a Reforma da Previdência. Ao final, ocorreu concentração e ato em frente à Catedral Metropolitana.

Botucatu foi, inclusive, a única cidade na região a integrar as manifestações. Este foi o terceiro ato contra o contingenciamento de verbas na Educação realizado desde o início do governo Bolsonaro. As primeiras ocorreram e maio e junho. Em quantidade de participantes, a mobilização de terça-feira foi menor que as demais.

O governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL) anunciou o contingenciamento (retenção) de verbas de mais de R$ 1,4 bilhão, sendo aplicados a diversos ministérios. Entre eles o da Educação, que teve o congelamento de repasses para investimentos de R$ 348,5 milhões. Antes, o próprio governo havia decidido a redução no financiamento de bolsas de pesquisas e de pós graduação.

Outro foco principal foi quanto ao programa Future-se, anunciado pelo Ministério da Educação e que pretende prover o “fortalecimento da autonomia administrativa e financeira das Instituições Federais de Ensino Superior — IFES”, que poderá consistir na contratação de Organizações Sociais (OS) para a gestão das mesmas, com repasses a estas instituições e a permissões para que as mesmas se utilizem dos espaços públicos educacionais.

Fonte e Fotos: Flávio Fogueral

Postagem Única 02 Mobile

Anunciantes