Botucatu promove ato de repúdio à mudança na Coordenadoria Nacional de Saúde Mental

Profissionais e outras pessoas envolvidas diretamente com os principais serviços de Saúde Mental em Botucatu promoveram na tarde de segunda-feira (14), em frente ao Espaço Saúde – Profª Cecília Magaldi, um ato em repúdio à exoneração, oficializada no dia 10 deste mês, de Roberto Tykanori, ex-coordenador nacional de saúde mental, álcool e outras drogas do Ministério da Saúde. 
 
No lugar de Tykanori, assumiu Dr. Valencius W. Duarte Filho, que na década de 90 dirigiu a Casa de Saúde “Dr. Eiras de Paracambi”, no Rio de Janeiro, conhecido como maior hospital psiquiátrico particular da América Latina e que foi fechado em 2012 após denúncias de violações de direitos humanos.
 
A nomeação de Valencius Duarte e a destituição de Tykanori por parte do Ministério da Saúde gerou uma reação imediata da comunidade que há anos atua na luta antimanicomial brasileira, sustentada pela lei federal 10.216/2001, que “dispõe sobre proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental”. 
 
Na manifestação, intitulada “Abraça RAP – Rede de Atenção Psicossocial”, foram levados cartazes em prol ao fim dos manicômios e indignação quanto a decisão do Ministério da Saúde. De mãos dadas, os participantes do ato também promoveram um grande abraço no entorno do Espaço Saúde. Em todo o País, outras entidades como a Associação Brasileira de Saúde Mental, Movimento Nacional da Luta Antimanicomial, Conselho Federal de Psicologia, entre outras, também já se manifestaram publicamente sobre o caso.
 
“O Dr. Valencius Duarte é uma pessoa que publicamente defendia a internação e outras formas mais antiquadas de tratamento da pessoa com distúrbio mental, pensamento este que vem na direção contrária à reforma psiquiátrica atual. Bandeira esta que Tykanori sempre lutou. Então essa mudança pode ser entendida como um grande retrocesso”, argumenta o secretário municipal da Saúde, Dr. Claudio Lucas Miranda. 
 
Em Botucatu, a Rede de Atenção Psicossocial é bastante integrada. Além do CAPs 1 [Centro de Atenção Psicossocial], que promove mais de 11 mil atendimentos/ano e está sob gestão da Secretaria Municipal da Saúde, a Cidade conta com o suporte do Centro de Atenção Integral à Saúde – Cais Prof. Cantídio de Moura Campos [administra CAPs AD, CAPs 2, Oficina Terapêutica Girassol e Ambulatório Regional de Saúde Mental]; do Sarad (Serviço de Atendimento Referência Álcool e Drogas); do Departamento de Psiquiatria da Unesp; além de outras entidades parceiras que trabalham na ressocialização do paciente com transtornos mentais.

Fonte: Prefeitura Municipal de Botucatu

Scroll Up