Botucatu: mães fazem ‘mamaço’ em apoio a aluna

AdSense Postagem 01

Postagem Única 01 Mobile

Uma estudante de 17 anos, que atrasou-se na última sexta-feira (9) por estar amamentando no peito a filha de dois anos, teria sido impedida pela direção da Escola Estadual Cardoso de Almeida, em Botucatu, de entrar na unidade após o início da aula. Em apoio à adolescente, algumas mães promoveram um “mamaço” em frente à escola visando alertar sobre a importância do aleitamento materno. A Secretaria de Educação está apurando o caso.

O protesto foi organizado pela estudante e contou com apoio do grupo “Do fundo do ventre”, que atua na divulgação de informações sobre a gestação, parto e maternidade. De acordo com Mariana Castello Branco, enfermeira e fundadora da organização, a jovem cursa o 3º ano do ensino médio na escola estadual, no período da manhã.

Ela se atrasou porque estava amamentando e ligou na escola para avisar que iria atrasar. E não deixaram ela ir. Falaram que atrasada ela não poderia entrar”, diz. “Ela ficou super mal com isso, falou que ainda amamentava, que nunca tinha se atrasado, que era boa aluna, interessada e que tinha uma aula importante que não podia perder.(Mariana)

Em solidariedade à aluna, no final da tarde, mães que frequentam o grupo de apoio promoveram um “mamaço” em frente à escola. “Nós fomos fazer toda uma movimentação em relação ao aleitamento materno. É uma escola onde tem várias estudantes e não tem só ela de mãe adolescente. Infelizmente, isso é uma realidade”, afirma a enfermeira.

Ela conta que, apesar de ter engravidado na adolescência, a estudante leva a sério os estudos e é uma ótima mãe. “Mesmo sendo jovem, mesmo estudando, mesmo não tendo largado a escola como a maioria das mães adolescentes fazem, ela ainda amamenta e conseguiu levar até os dois anos”, ressalta.

Coletivo

Segundo Mariana, a adolescente pretende montar coletivo na escola com objetivo de divulgar informações sobre como evitar gravidez indesejada. “O índice de jovens mães é bem grande. E ela me pediu ajuda para montar o coletivo na escola. A ideia é levar informação para elas e também poder levar algum tipo de apoio para as que já são mães”, explica.

A Diretoria Regional de Ensino de Botucatu informou em nota que enviou uma supervisora até a unidade para averiguar o ocorrido. “Além disso, a direção da unidade vai receber a estudante e seus responsáveis nesta quarta-feira (14), visando esclarecer o fato. O conteúdo perdido na última sexta-feira será reposto”, declara.

Fonte: JCnet ( Foto Sidney Trovão – Diário da Serra)

Postagem Única 02 Mobile

Anunciantes