Botucatu ganha destaque na produção de cogumelos

O estado de São Paulo é o principal mercado consumidor de cogumelos e também é o maior produtor do país. Para entender o processo de produção, o Nosso Campo conversou com especialistas, que explicaram os cuidados necessários para produzir cogumelos com boa qualidade.

Em uma empresa em Botucatu (SP), são produzidos cogumelos shitake. O processo demora cinco meses. A empresa atua em toda a cadeia produtiva, desde as fases da semente e do substrato.

São produzidas por mês 18 toneladas de shitake. Uma preocupação é evitar o choque térmico e garantir qualidade. Na hora da colheita, por exemplo, os cogumelos são armazenados em câmaras na temperatura entre 14 e 18°C.

A tecnologia é uma importante aliada na produção e foco de boa parte dos investimentos. Há 18 anos na produção de cogumelos shitake, a empresa tem 15% do mercado nacional. A ideia para os próximos anos é ampliar as regiões abastecidas e manter a preocupação com o futuro ambiental. No sítio, eles fazem o descarte do substrato de forma sustentável.

A escolha de bons materiais para o processo de compostagem é essencial na hora da produção dos cogumelos. No primeiros dia do processo, camadas de bagaço de capim são molhadas para formar uma pilha de compostagem, enquanto no segundo dia são feitas correções na umidade. No terceiro dia, são adicionados farelos que ajudam a criar os micro-organismos.

No quarto dia do processo, a pilha de compostagem é colocada em repouso. Já no oitavo dia, o material vai para o túnel de pasteurização, onde fica armazenado por uma semana. Aí sim, está tudo pronto para começar a semeadura dos cogumelos shimeji. A semente é inoculada em grãos de trigo.

O trabalho é todo manual: amassa de um lado, de outro e fecha. E é pelos furos no saco que vão nascer os cogumelos. A semeadura é cheia de detalhes, requer muitos cuidados para chegar até este ponto.

Os cogumelos crescem em quatro salas. Em cada uma delas, tem mais de 500 sacos, que foram colocados no local há 15 dias e já estão no ponto de colheita. A colheita é feita muito rápido, duas vezes por dia.

Para render uma boa colheita, os produtores investiram na estrutura das salas. As paredes são feitas com barro e capim braquiária. O chão é coberto de pedras e está sempre úmido.

Já faz três anos que eles ganharam o mercado na região de Bauru (SP) com a produção de shimejis. Eles investiram em uma câmara fria para não perder as colheitas.

Na propriedade são produzidos 1.500 quilos de cogumelos. Depois de fazer a colheita, é hora de limpar os cogumelos para poder embalar.

Fonte: G1

Scroll Up