Biden retoma projeto de fechamento da prisão de Guantánamo, anuncia Casa Branca

AdSense Postagem 01

Postagem Única 01 Mobile

O presidente Joe Biden tentará fechar a prisão na base americana na Baía de Guantánamo após um processo de revisão, retomando um projeto iniciado sob o governo Obama, disse a Casa Branca na sexta-feira (12).

A secretária de imprensa da Casa Branca, Jen Psaki, disse que era a “intenção” do governo Biden fechar o centro de detenção, algo que o presidente Barack Obama se comprometeu a fazer um ano após assumir o cargo, em janeiro de 2009.

Psaki não deu prazo, dizendo aos repórteres que a revisão formal seria “robusta” e exigiria a participação de funcionários do Departamento de Defesa, do Departamento de Justiça e de outras agências que ainda não foram nomeadas pela nova administração.

“Há muitos participantes de diferentes agências que precisam fazer parte dessa discussão política sobre os passos a seguir”, disse ela.

Obama enfrentou intensa oposição política interna ao tentar fechar o centro de detenção, um símbolo notório da luta dos EUA contra o terrorismo. Biden pode ter mais liberdade agora que restam apenas 40 prisioneiros e Guantánamo chama muito menos atenção do público, embora seu anúncio tenha atraído algumas críticas imediatas.

Os EUA abriram o centro de detenção em janeiro de 2002 para manter pessoas suspeitas de ter vínculos com a Al-Qaeda e o Talibã. Ela se tornou uma fonte de críticas internacionais sobre maus-tratos a prisioneiros e a prisão prolongada de pessoas sem acusações.

O anúncio de um plano de fechamento não foi inesperado. Biden havia dito como candidato que apoiava o fim do centro de detenção. O secretário de Defesa Lloyd Austin disse isso também em depoimento por escrito para sua confirmação no Senado.

“Guantánamo nos deu a capacidade de aplicar as leis de detenção de guerra a fim de manter nossos inimigos fora do campo de batalha, mas acredito que é hora de fechar o centro de detenção de Guantánamo”, disse Austin.

Os 40 prisioneiros restantes em Guantánamo incluem cinco que foram liberados anteriormente, por meio de um processo de revisão intensivo criado por Obama como parte do esforço para fechar o centro de detenção e transferir os prisioneiros restantes para instalações nos EUA.

Em seu auge, em 2003, o centro de detenção da base da Marinha na ponta sudeste de Cuba mantinha cerca de 680 presos. Em meio à indignação internacional, o presidente George W. Bush o chamou de “uma ferramenta de propaganda para nossos inimigos e uma distração para nossos aliados” e disse que apoiava seu fechamento, mas deixou a medida para seu sucessor.

No governo de Bush, os EUA iniciaram esforços para processar alguns prisioneiros por crimes de guerra em tribunais conhecidos como comissões militares. Também libertou 532 prisioneiros.

Obama prometeu fechar o centro de detenção, mantendo a maior base da Marinha, mas enfrentou forte oposição política por causa dos planos de processar e prender homens nos EUA e pelas preocupações de que o retorno de outras pessoas a seus países representaria um risco à segurança.

Pelo menos até certo ponto, essa oposição permanece. “A obsessão dos democratas em trazer terroristas para os quintais dos americanos é bizarra, equivocada e perigosa”, disse o senador John Cornyn, um republicano do Texas, após o anúncio da Casa Branca na sexta-feira. “Assim como com o presidente Obama, os republicanos lutarão com unhas e dentes”.

Obama argumentou que manter o centro de detenção não era apenas uma má política, mas um desperdício de dinheiro, que custava mais de US$ 445 milhões por ano em 2016.

Sob sua administração, 197 presos foram repatriados ou reassentados em outros países.

Isso deixou 41 sob o comando de Trump, que em certo ponto prometeu “lotá-la” com alguns “caras maus”. Ele nunca o fez e aprovou uma única libertação, um prisioneiro saudita que havia chegado a um acordo judicial em seu caso de crimes de guerra.

Dos que permanecem em Guantánamo, 10 homens enfrentam julgamento por comissão militar. Eles incluem cinco homens encarregados de planejar e fornecer apoio logístico aos ataques terroristas de 11 de setembro de 2001. O caso está preso a procedimentos pré-julgamento há anos.

Grupos de direitos humanos que há muito defendem o fechamento de Guantánamo saudaram o anúncio de Biden.

“Por quase duas décadas, os Estados Unidos negaram justiça às centenas de homens que o governo manteve detidos indefinidamente na Baía de Guantánamo, sem acusação ou julgamento”, disse Daphne Eviatar, diretora do Programa de Segurança com Direitos Humanos da Anistia Internacional EUA. “Quarenta homens permanecem lá hoje. Já passou da hora de fechar”, acrescentou.

Fonte: Yahoo!

Postagem Única 02 Mobile

Anunciantes