Após perder filhote, cachorra ‘adota’ gato abandonado no portão de casa

A expressão “filho de peixe, peixinho é” passou longe da história da Nina, uma cachorra que, enlutada pela morte recente de seu filhote, “adotou” um gato de rua e passou a cuidar do bichinho como se fosse seu filho, em Paranapanema (SP).

O dono dos pets e também ativista da causa animal, Lucas Henrique Barbosa Guimarães, contou que o vínculo entre os dois surgiu de forma natural depois que ele acolheu o gato recém-nascido em sua casa.

“Como eu já trabalho ajudando animais de rua, alguém achou que eu ia cuidar do filhote e abandonou no portão de casa. Colocaram o gato dentro de uma sacola e a amarraram no portão. Ele ficou miando demais, aí a senhora que cuida da minha avó viu e pegou. Quando eu cheguei em casa, tive a surpresa”, relata Lucas.

Filhote de gato foi abandonado no portão de casa em Paranapanema — Foto: Lucas Henrique Barbosa/Arquivo pessoal
Filhote de gato foi abandonado no portão de casa em Paranapanema (Foto: Lucas Henrique Barbosa/Arquivo pessoal)

De acordo com o assistente social, ele não pretendia adotar outro animal pois já tem oito cachorros e três gatos, todos recolhidos das ruas. Apesar disso, ao ver o bichinho tão pequeno e ainda sem dentes, Lucas decidiu cuidar dele até que esteja mais velho e pronto para ser adotado por outra família.

“Comecei a pesquisar como fazia pra cuidar. Comprei uma mamadeira pra dar leite, mas a minha cachorrinha perdeu um filhote recentemente e ficava desesperada de ver ele chorar, miar. Aí um dia eu coloquei perto dela e ela já começou a dar banho, foi criando vínculo entre eles”, conta o dono.

Lucas contou que Nina tem aproximadamente 10 anos de idade e, por ser mais velha, é a única fêmea dele que não foi castrada. Ele disse que a separa dos outros cães quando está no período de cio, mas por um descuido, engravidou recentemente de outro cachorro que mora na casa.

“Ela engravidou e nasceu um filhote só, mas ele morreu. Não sei a causa da morte, só o encontrei morto junto com ela depois de uma semana de vida. Alguns dias depois, no último dia 5, abandonaram o gatinho no portão de casa”, lembra.

Instinto materno

De acordo com Lucas, Nina e o gatinho, que ainda não tem nome, não criaram somente um vínculo de amizade, mas de mãe e filho. Incomodada com o choro do filhote, ele disse que a cachorra começou a lamber a região genital do gatinho, o que é o papel da mãe para estimular o bichinho a fazer as necessidades.

Instinto materno aproximou cachorra e filhote de gato em Paranapanema — Foto: Lucas Henrique Barbosa/Arquivo pessoal
Instinto materno aproximou cachorra e filhote de gato em Paranapanema (Foto: Lucas Henrique Barbosa/Arquivo pessoal)

Além disso, o filhote começou a procurar a cachorra para mamar e o dono contou que Nina realmente está produzindo leite. No entanto, ele ainda complementa a alimentação do felino com leite na seringa.

“Ele é bem manhoso, só quer ficar perto dela e mia muito. Antes ele estava dormindo no meu quarto, aí de madrugada eu tinha que levantar pra dar leite pra ele, igual criança”, conta Lucas.

Segundo a veterinária Lizandra Evangelista Alves, é comum que alguns animais acolham filhotes de outras espécies e essa relação não deve trazer nenhum prejuízo aos pets.

“É normal porque, quando as fêmeas têm cria, elas ficam com o instinto materno aflorado, os hormônios, então elas acolhem, ficam mais receptivas aos outros filhotes”, explica.

Nina mora em Paranapanema, no interior de São Paulo — Foto: Lucas Henrique Barbosa/Arquivo pessoal
Nina mora em Paranapanema, no interior de São Paulo (Foto: Lucas Henrique Barbosa/Arquivo pessoal)

A orientação nesse caso, segundo a especialista, é que o dono continue monitorando o estado de saúde dos animais, principalmente se o filhote está se desenvolvendo bem. Caso ele presencie alguma alteração, basta procurar um veterinário.

“Não vai atrapalhar em nada. Ela vai cuidar como se fosse dela. Tem gato e cachorro que se dão super bem, então vai ser normal, como mãe e filho mesmo. Agora é acompanhar pra ver se o gatinho está se desenvolvendo bem, se o leite está sendo suficiente, principalmente nos dias de recém-nascido.”

Trabalho voluntário

Lucas mantém trabalho voluntário para ajudar animais de rua em Paranapanema — Foto: Lucas Henrique Barbosa/Arquivo pessoal
Lucas mantém trabalho voluntário para ajudar animais de rua em Paranapanema (Foto: Lucas Henrique Barbosa/Arquivo pessoal)

Lucas contou que mantém um trabalho voluntário em Paranapanema para cuidar de animais de rua. Ele e alguns amigos se mobilizam para encontrar lares fixos e temporários para os bichinhos e juntam dinheiro para castrá-los.

Quem quiser contribuir com doações, seja de dinheiro, ração ou medicamentos, pode entrar em contato com o voluntário para obter mais informações. O telefone é (14) 99647-8533.

Fonte: G1 – Foto: Lucas Henrique Barbosa/Arquivo pessoal

Scroll Up