Anistia Internacional acusa Israel de praticar política de “apartheid” contra palestinos

A exemplo de várias ONGs locais e a Human Rights Watch (HRW), a Anistia Internacional (AI) classificou de “apartheid” a política de Israel em relação os palestinos. Eles seriam tratados como um “grupo racial inferior”, aponta um relatório divulgado nesta terça-feira (1º).

“As políticas cruéis de segregação, expropriação e exclusão de Israel nesses territórios equivalem claramente a um apartheid”, declarou a secretária-geral da Anistia Internacional, Agnès Callamard, durante uma entrevista coletiva em Jerusalém. “Quer vivam em Gaza, em Jerusalém Oriental, no restante da Cisjordânia ou em Israel, os palestinos são tratados com um grupo racial inferior e seus direitos são sistematicamente retirados”, acrescentou.

Callamard enfatizou que deseja evitar comparações com a África do Sul, mas que um sistema de segregação similar é adotado pelo governo israelense. “Os cidadãos árabes de Israel não terão a mesma experiência de apartheid que os de Gaza, mas isso não significa que não exista um regime de apartheid”, reiterou.

Para a Anistia Internacional, Israel considera os palestinos uma “ameaça demográfica”. De acordo com dados oficiais, atualmente 6,8 milhões de judeus e outros tantos árabes vivem em Israel, Jerusalém, Cisjordânia ocupada e na Faixa de Gaza, um território submetido a um bloqueio israelense desde que o movimento islamita Hamas chegou ao poder, em 2007.

Fonte: Yahoo!