América Latina fica atrás no acesso a tecnologias digitais, diz estudo

O número de usuários da tecnologia da informação e comunicação (TIC) na América Latina está crescendo diariamente, mas a região não têm acesso ao capital financeiro e humano para se desenvolver melhor nesta área – é o que mostra um estudo apresentado nesta quinta-feira em Montevidéu.

A América Latina tem “problemas de acesso ao capital e capital humano” para desenvolver suas próprias plataformas competindo com empresas de fora da região, apontou Raul Katz, professor da Universidade de Columbia e autor do livro “O Ecossistema e a Economia Digital na América Latina”.

O acadêmico aponta, por exemplo, que enquanto o investimento privado de Israel em capital de risco para o desenvolvimento empresarial no ecossistema digital é de 818 dólares por habitante por ano, na América Latina esse número é de apenas 1,67 dólares.

Segundo o livro, editado pela Cepal, pelo Centro de Estudos de Telecomunicações da América Latina e pela Fundação Telefônica, o setor público da região investe cerca de 19,1 bilhões de dólares ao ano em TICs.

Da mesma forma, o número de profissionais especializados é insuficiente para alimentar o desenvolvimento do setor em um ritmo mais rápido do que hoje.

O especialista disse que, embora países como Chile, Costa Rica, Panamá e Uruguai tenham taxas de acesso às tecnologias de informação que estão próximos aos dos países desenvolvidos, a região continua a mostrar uma lacuna no material digital.

“Nós ainda temos um abismo digital na América Latina”, resumiu Katz.

A economia digital é responsável por 4,3% do PIB regional e detém 900.000 postos de trabalho.

No caso específico da Internet, entre 2006 e 2013 dobrou o número de usuários na América Latina e hoje 47% da população é usuária da Internet. Apesar destes dados, dos 100 sites mais populares, apenas 26 são regionais.

Fonte: Yahoo!

Scroll Up