Almagro elogia novo diálogo da Venezuela e diz que a OEA está pronta para “cooperar”

O secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), Luis Almagro (foto), saudou nesta terça-feira (24) as negociações iniciadas no México entre o governo de Nicolás Maduro e a oposição venezuelana e afirmou que o bloco regional está pronto para “cooperar”.

“Hoje a Venezuela está em um novo processo de diálogo”, disse o diplomata uruguaio durante mesa-redonda na sede da OEA. “A maior disposição da organização em cooperar e para que as coisas corram bem. Esperançosamente, tudo correrá bem”.

Representantes do governo Maduro e da Plataforma Unitária da Venezuela, que agrupa a oposição, abriram negociações em meados de agosto na Cidade do México para acabar com a aguda crise política e econômica do país, segundo um memorando de entendimento.

Almagro lembrou que Gerardo Blyde, que assinou esse memorando como representante da oposição, esteve anteriormente em Washington para “reconhecer e agradecer” o apoio da OEA.

“Praticamente, as coisas que vão ser negociadas, as contrapartidas daqueles que se opuseram a essa ditadura em todo esse tempo, foram em grande parte resultado do trabalho da organização”, disse.

“Esperamos que façam um bom uso e que signifique muito para a democracia e a liberdade na Venezuela”, acrescentou.

A OEA, formada pelos 35 países americanos – embora Cuba não seja membro ativo e a própria Venezuela seja representada pelo líder da oposição Juan Guaidó após a saída do bloco governamental de Maduro em abril de 2019 – não reconhece a legitimidade do presidente venezuelano por considerar sua reeleição em 2018 como falha.

Durante a mesa redonda, convocada para a apresentação do livro “Almagro não pede perdão”, dos jornalistas uruguaios Gonzalo Ferreira e Martín Natalevich, os autores destacaram que o secretário-geral da OEA assumiu em 2015 com uma visão crítica da Venezuela, apesar de ter sido chanceler de José Mujica, relacionado com Caracas.

Foi Almagro quem estimulou a agenda da Venezuela na OEA e impulsionou alguns países, incluindo os Estados Unidos, disse Natalevich. E lembrou que Carlos Trujillo, ex-embaixador junto à OEA do governo de Donald Trump, descreveu Almagro como “um aliado” de Washington.

Crítico feroz de Caracas, Almagro voltou a apontar as “incapacidades institucionais” vinculadas à “deterioração democrática” do mandato de Maduro, que definiu como o “paradigma” de uma “lógica muito cubana” de que “o poder não se renuncia”.

O diálogo da Venezuela no México ocorre após os processos fracassados de 2019 em Barbados e de 2018 na República Dominicana.

Fonte: Yahoo!

Scroll Up