23 de julho, 2024

Últimas:

Acidente com micro-ônibus deixa dois mortos e 26 feridos no interior de SP

Anúncios

O micro-ônibus envolvido no acidente com duas mortes e 26 feridos na Rodovia Adhemar de Barros (SP-340) não estava registrado na Agência de Transporte do Estado de São Paulo (Artesp) e, segundo a agência reguladora, não poderia fazer a prestação de serviço de transporte de passageiros em rodovias.

O acidente aconteceu na altura do Km 160, no município de Mogi Guaçu. O grupo voltava de um fim de semana de Bertioga, no litoral paulista, e seguia para São João da Boa Vista (SP).

Anúncios

Duas passageiras morrem no local: Gleice Helena Gomes, de 41 anos, mulher do motorista, e Mayara Donizetti de Souza, de 21 anos.

O velório de Gleice é realizado em São João da Boa Vista e o sepultamento está marcado para 9h, na terça-feira (31). O corpo de Mayara também será velado e enterrado em São João. O horário não foi divulgado.

Anúncios

Gleice Helena Gomes, de 41 anos, morreu no acidente em Mogi Mirim com um micro-ônibus que voltava do litoral de SP — Foto: Reprodução/Facebook
Gleice Helena Gomes, de 41 anos, morreu no acidente em Mogi Mirim com um micro-ônibus que voltava do litoral de SP (Foto: Reprodução/Facebook)

Não registrado

Segundo a Artesp, a empresa São João Transporte e Turismo LTDA é credenciada para a realização de viagens intermunicipais por fretamento. No entanto, o veículo do acidente não está registrado na Agência, o que é necessário para a prestação do serviço.

Ainda segundo o órgão, este ano, a empresa foi autuada três vezes por problemas como não cumprimento de especificações técnicas, realização de viagens sem declaração de vistoria (documento que comprova que o veículo passou pelas vistorias determinadas pela legislação e que precisa estar no interior do veículo para apresentação em caso de fiscalização) e por não proporcionar aos passageiros o seguro facultativo de acordo com a legislação.

Veículo em dia

O proprietário da empresa de São João da Boa Vista (SP), responsável pelo micro-ônibus, afirmou que toda a documentação e manutenção do veículo estavam regularizadas.

“Estava tudo certinho, era um carro novo, estava só com 100 mil quilômetros rodados, todos os pneus zero, motorista habilitado”, afirmou Marcelo Benedito Perinoti.

Ele afirmou ainda que o disco de tacógrafo do micro-ônibus foi retirado após o acidente e está sob poder da Polícia Rodoviária para averiguação.

Questionado novamente a respeito do registro do veículo na Artesp, Perinoti disse que não iria se pronunciar.

De acordo com o proprietário, a empresa está prestando todo apoio aos passageiros que ainda estão internados no hospital e também cuida dos trâmites funerários das duas vítimas fatais.

“A gente ficou a noite toda em Mogi Guaçu e Mogi Mirim percorrendo os hospitais. Conforme liberavam os passageiros, a gente providenciava transporte. Estamos prestando todo apoio e solidariedade ao pessoal”, disse.

Feridos

Equipes da Polícia Rodoviária e da concessionária trabalharam no resgate das vítimas do acidente em Mogi Mirim (SP) — Foto: Polícia Militar Rodoviária/Divulgação
Equipes da Polícia Rodoviária e da concessionária trabalharam no resgate das vítimas do acidente em Mogi Mirim (SP) (Foto: Polícia Militar Rodoviária/Divulgação)

Além das duas vítimas fatais, seis pessoas foram atendidas com ferimentos graves e levadas para unidades de saúde – uma delas, uma mulher de 48 anos, em estado gravíssimo. Entre os feridos também estão duas crianças, de 7 e 10 anos, duas mulheres, de 30 e 44 anos, e um homem de 45 anos.

Outras 20 pessoas sofreram ferimentos leves e foram atendidas na Santa Casa de Mogi Mirim e em outras cinco unidades médicas da região. Apenas um passageiro escapou sem escoriações.

Acidente

O motorista contou que um carro fechou o micro-ônibus, o que teria provocado o acidente. Ele realizou o teste de bafômetro e o resultado deu negativo para o consumo de álcool. As causas, no entanto, ainda serão investigadas.

Passageiro do veículo, José Carlos Dias contou que ouviu o barulho de “pneu cantando” e relatou o pânico após o veículo tombar.

“Ele [motorista] deu uma freada, uma cantada de pneu, aí e nisso ele controlou, e depois ele começou a ‘dançar’ na pista. Ele ‘dançou’ pra não pegar outro carro e jogou no acostamento. Ele tombou pra lá. Depois saiu arrastando, só gente gritando, gente pedindo socorro. O ônibus é ar-condicionado, não tinha como ninguém sair. Aí quando fui ver todo mundo machucado, a mulher do motorista morreu na hora.”

Segundo Dias, que viajava acompanhado da mulher – que está internada em estado gravíssimo -, nenhum passageiro usava o cinto de segurança no momento do acidente.

“Estava todo mundo sentado, mas acho que não tinha alguém de cinto. Ninguém esperava que ia acontecer isso.”

Os trabalhos de resgate duraram pelo menos três horas e algumas faixas da rodovia precisaram ser interditadas. O micro-ônibus foi removido pela manhã até a base da Polícia Militar Rodoviária, e depois liberado ao proprietário. A pista foi liberada para o tráfego na madrugada.

Fonte: G1

Talvez te interesse

Últimas

Produtos de alta tecnologia prometem eficiência, durabilidade e sustentabilidade nas estruturas...

Categorias