Abu Bakr al-Baghdadi, líder do Estado Islâmico, aparece em vídeo pela primeira vez em 5 anos

Um homem apresentado como líder do grupo jihadista Estado Islâmico (EI), Abu Bakr al Bagdadi, apareceu pela primeira vez em cinco anos num vídeo de propaganda divulgado nesta segunda-feira pela organização extremista, pouco mais de um mês depois da queda de seu autoproclamado “califado”.

Não há informações sobre data ou local da gravação, mas o homem apresentado como Abu Bakr al Bagdadi fala sobre os atentados de Páscoa no dia 21 de abril contra igrejas e hotéis no Sri Lanka.

Declara também que “a batalha por Baghuz agora terminou”, em referência ao povoado do leste da Síria que foi o último reduto territorial do grupo, o qual perderam o domínio em 23 de março de 2019.

O “califado” do EI, autoproclamado em 2014 por Al Bagdadi numa grande região no Iraque e Síria, foi declarado erradicado ao fim de uma ofensiva de combatentes árabes e curdos apoiados por uma coalizão internacional liderada pelos Estados Unidos.

No vídeo desta segunda-feira, o homem que aparece sentado com as pernas cruzadas sobre uma almofada, afirma que o EI “se vingará” em nome de de seus membros que foram assassinados e que o combate contra o Ocidente é “uma longa batalha”.

Falando para três homens cujos rostos são escondidos por um efeito de edição, promete outras ações do EI “após esta batalha”.

A organização reivindicou nos últimos anos vários atentados no Oriente Médio, na Europa e na Ásia.

Numa parte do vídeo, o homem fala sobre os atentados no Sri Lanka, cuja autoria foi reivindicada pela organização, informando que se tratava de uma “vingança pelos irmãos de Baghuz”.

Segundo SITE, o centro americano de vigilância dos movimentos extremistas, e o especialista iraquiano em assuntos ligados ao EI Hisham Hashemi, o homem que aparece no vídeo é o líder da organização extremista.

Por sua parte, a coalizão antijihadista ainda tenta “colaborar de maneira independente para verificar a veracidade do vídeo”, informou.

A gravação foi divulgada pela Al Furqan, a “produtora” do EI que transmite as mensagens de voz e os vídeos de propaganda da organização jihadista.

Horas depois da divulgação desse material, o governo dos Estados Unidos prometeu que perseguirá e levará à Justiça os líderes sobreviventes do grupo Estado Islâmico.

A coalizão liderada por Washington combaterá em todo o mundo para “garantir uma derrota definitiva desses terroristas e permitir que seus líderes sobreviventes recebam a justiça que merecem”, informou um porta-voz do Departamento de Estado americano em um comunicado.

O homem mais procurado do mundo

A última mensagem atribuída a Abu Bakr al Bagdadi era um áudio divulgado em agosto de 2018. Nessa gravação, pedia aos seguidores do grupo a prosseguir a “jihad”, oito meses após o Iraque declarar a “vitória” sobre o EI.

O líder jihadista apareceu apenas uma vez em público, em Mossul em 2014, no norte do Iraque, onde declarou seu “califado”.

Após comandar o destino de 7 milhões de habitantes em grandes extensões da Síria e em quase um terço do Iraque, o homem mais procurado do mundo estaria escondido no deserto sírio, segundo especialistas.

As Forças Democráticas Sírias (FDS), a aliança curdo-árabe que acabou com os jihadistas entrincheirados em seu último feudo de Baghuz, informaram em março que não teriam dados “sobre uma presença de Bagdadi na Síria”.

Os Estados Unidos oferecem 25 milhões de dólares por sua captura.

Apesar de suas derrotas no Iraque e Síria, o EI segue cometendo ataques nestes países, onde conserva células em áreas de difícil acesso.

Fonte: Yahoo!