19 de junho, 2024

Últimas:

África do Sul receberá membros do BRICS em agosto

África do Sul receberá membros do BRICS em agosto

Anúncios

A África do Sul está bem posicionada geograficamente dentro dos BRICS. Na confluência do Índico e do Atlântico Sul, o país é uma ponte ideal entre as Américas e a Eurásia. Com suas crescentes responsabilidades dentro dos BRICS, é também a ponte para impulsionar o crescimento econômico entre o continente africano e o mundo.

O país africano tornou-se membro dos BRICS em dezembro de 2010 e sediou a primeira cúpula no continente africano em 2013. A principal agenda para a entrada da África do Sul no bloco era fortalecer as relações Sul-Sul e impulsionar o comércio, facilitando um melhor acesso aos mercados dos países membros, promovendo práticas comerciais mútuas, atraindo investimentos e criando um ambiente favorável aos negócios. Os fatores críticos para a sua participação no BRICS foram os desafios triplos resultantes de seu legado de apartheid de pobreza, desigualdade e desemprego.

Anúncios

Para a grande maioria da humanidade que vive em países em desenvolvimento, uma desaceleração significa mais miséria e uma melhora tardia na qualidade de vida. A nova fase da globalização significa que o fluxo de capital e tecnologia não pode mais ser do norte global para o sul global. É aqui que a África do Sul deve desempenhar um papel crítico. Como uma economia dinâmica do vasto continente africano e membro  dos BRICS tem a responsabilidade de liderar o caminho para o crescimento colaborativo.

O já lento crescimento econômico da África do Sul foi ainda mais afetado pelo início da pandemia de Covid-19 em 2020. Atualmente, a economia do país está se recuperando, mas em um ritmo lento, com crescimento estimado em 1,9% em 2022. Nestes tempos difíceis, a adesão da África do Sul aos BRICS provou ser particularmente benéfica. O Novo Banco de Desenvolvimento aprovou um empréstimo de US$ 2 bilhões para o Programa de Emergência Covid-19 ao governo da África do Sul para apoiar a recuperação econômica do país após a pandemia. O banco foi formado inicialmente para mobilizar recursos para projetos de infraestrutura e desenvolvimento sustentável nos BRICS, economias emergentes e outros países em desenvolvimento.

Anúncios

Em uma declaração antes da 14ª cúpula do BRICS no ano passado, o presidente sul-africano Cyril Ramaphosa mencionou: “A colaboração entre os BRICS na área da saúde e, em particular, na resposta à pandemia do Covid-19, colocou a África do Sul em uma melhor posição para responder eficazmente às emergências de saúde atuais e futuras”. Os BRICS também manifestaram grande apoio à proposta indo-sul africana, apresentada em outubro de 2020, de renunciar a certas disposições do acordo de Direitos de Propriedade Intelectual Relacionados ao Comércio com relação à prevenção, contenção e tratamento do Covid-19.

Em termos de relações comerciais, a Conferência das Nações Unidas (ONU) de 2010 sobre Comércio e Desenvolvimento em seu Relatório de Investimento Mundial colocou a África do Sul entre as 20 principais economias prioritárias para investimento estrangeiro direto no mundo. Segundo relatórios recentes, em 2021, mais de 17% das exportações da África do Sul foram destinadas a outros países dos BRICS, enquanto mais de 29% de suas importações totais vieram desses países. Portanto, os países dos BRICS hoje não apenas se tornaram parceiros comerciais significativos, mas a associação está se fortalecendo rapidamente. O comércio total da África do Sul com esses países atingiu R702 bilhões em 2021, acima dos R487 bilhões em 2017.

A África do Sul também continua a atrair investimentos diversificados dos países dos BRICS. Enquanto o governo está trabalhando para mobilizar fundos de diferentes fontes para financiar seus ambiciosos projetos de construção de infraestrutura e desenvolvimento sustentável, o Novo Banco de Desenvolvimento também tem desempenhado um papel importante ao estender o apoio financeiro . A África do Sul já recebeu US$ 5,4 bilhões do Banco para melhorar a prestação de serviços em áreas críticas.

O turismo é um dos principais contribuintes para o crescimento do país. No entanto, como resultado das restrições de viagem durante a pandemia, a África do Sul teve que arcar com perdas críticas em sua indústria do turismo. Turistas de outros países dos BRICS representaram 65% de todas as chegadas à África do Sul em 2018, indicando que esses mercados devem dar importantes contribuições para a recuperação desse setor. Com seu programa eVisa, a África do Sul visa tornar as viagens e o turismo mais fáceis e baratos, especialmente para visitantes da Índia e da China. Em um relatório recente, o South African Tourism disse que espera um crescimento de 64% em relação ao ano anterior nas chegadas da Índia em 2022.

Como membro do G20 e do Grupo dos 5, a África do Sul utiliza sua participação nos BRICS para promover uma abordagem voltada para o desenvolvimento em fóruns multilaterais, abordando questões urgentes como mudança climática e comércio agrícola. A África do Sul é a única nação africana no G20 e desempenha um papel representativo para todo o continente. Sua adesão aos BRICS fortaleceu o aspecto político das discussões e também recebeu apoio de seus parceiros nas questões africanas relacionadas à paz, segurança e desenvolvimento, o que se destaca na agenda do Conselho de Segurança da ONU.

De acordo com Ziaad Suleman, presidente do Grupo de Trabalho de Economia Digital do Conselho Empresarial dos BRICS da África do Sul, sobre como a agenda dos BRICS mudou ao longo dos anos com o avanço da digitalização, 60% da população da África tem menos de 25 anos. Assim, a digitalização é outro foco importante para o país. Ele acredita que a tecnologia na nuvem e outras formas de educação digital são oportunidades notáveis ​​para eles.

A iniciativa Smart Africa é um exemplo importante de como os países do continente se uniram para o bem comum. A união entre 30 países e várias corporações globais trabalha para um único mercado digital no continente africano. A África do Sul está liderando um esforço para aprofundar o uso da Inteligência Artificial e sua implantação para esforços de desenvolvimento.

Talvez te interesse

Últimas

Temas que desafiam o dia a dia dos executivos e empresários serão debatidos neste encontro, um dos mais tradicionais do...

Categorias