19 abril, 2024

Últimas:

Usina em Ingá vai beneficiar o algodão orgânico da Paraíba

Usina em Ingá vai beneficiar o algodão orgânico da Paraíba

Anúncios

De 225 para 4.000 quilos de rama por hora. Este é o salto de produtividade garantido pela máquina adquirida pela Cooperativa dos Agricultores Familiares do Município de Ingá e Região (Itacoop) para o beneficiamento do algodão orgânico que será inaugurada oficialmente na Paraíba no dia 08 de maio, segunda-feira.

O evento, realizado pela prefeitura local, é mais um passo do Projeto Algodão Paraíba — para expandir e consolidar a região como polo do algodão orgânico do país. A compra do equipamento industrial foi viabilizada pela união das indústrias Dalila Têxtil (SC) e da Companhia Industrial Cataguases (MG). A negociação que garantiu cinco anos para o prazo de pagamento teve o apoio da Texpar, do grupo paraibano Unitextil, e o apoio logístico da prefeitura da Ingá.

Anúncios

Sobre o equipamento industrial

Com 32 toneladas e seis metros de altura, a máquina da marca Lummus chegou em Ingá desmontada, transportada por duas carretas. Uma parte dela veio da Bahia e a outra do Espírito Santo. Ela vai ocupar 500 dos 600 metros quadrados no galpão local. A montagem mobilizou 12 pessoas, entre engenheiro e técnicos, que trabalharam durante 90 dias. “Até o momento, oito pessoas já estão treinadas para a operação do equipamento que vai transformar por hora 4000 quilos de algodão em rama em oito fardos de 190 kg de algodão em pluma”, comemora Antônio Barbosa da Silva, presidente da Itacoop.

Anúncios

Importante destacar que a fibra é o principal produto do algodão (40%), mas seus coprodutos (caroço, óleo e torta) representam 60% e contribuem com o valor agregado da cadeia produtiva.“O beneficiamento do algodão orgânico, que era feito em oito meses, será realizado em apenas 72 horas, sobrando tempo atender produtores de outros estados”, explica o presidente da cooperativa. Com a industrialização, o tempo do descaroçamento do algodão em turno de oito horas de trabalho será feito agora em apenas nove dias. Por isso, além da produção de algodão da Paraíba, a ideia é atender o mercado do Rio Grande do Norte e do Ceará. 

O equipamento deve atender apenas produtores de algodão agroecológico branco e colorido. Por isso, o beneficiamento será feito em cubas separadas. A máquina tem três cubas. Há duas cubas exclusivas para o algodão branco e para o colorido já certificados como orgânicos; e outra cuba para o algodão agroecológico em processo de transição para a certificação.

Sobre a industrialização do campo

Para atender o mercado nacional e internacional é preciso escalar. Isso vai além da expansão do cultivo no campo. É preciso que a rama seja convertida em pluma com rapidez e qualidade para atender a uma dinâmica de mercado. Além disso, a pluma gera maior valor econômico para o agricultor. “Muitos vendem o algodão em rama ganhando menos por não terem acesso ao beneficiamento”, diz o presidente da Itacoop.

André Klein, diretor da Dalila Têxtil, encontrou no projeto Algodão Paraíba a possibilidade de não precisar mais importar algodão orgânico da Ásia. Ao conhecer os campos em Ingá, comprou 12 toneladas, mas percebeu que só seria possível dar continuidade no negócio melhorando o processo do algodão da Paraíba. Para isso, era preciso investir em tecnologia. Logo no início convidou a Cataguases para este grande desafio. “Foi quando tomamos a decisão de viabilizar, juntamente com a cooperativa dos agricultores, e em parceria com a Natural Cotton Collor e a prefeitura de Ingá, uma estrutura mais moderna”, disse.

A Cataguases, então, concebeu um projeto com a premissa de ser socialmente e ambientalmente responsável, colocando os cooperados como eixo central, para promover o desenvolvimento da Itacoop e do município de Ingá com a máquina de beneficiamento e investindo na infraestrutura do galpão. Além disso, garantiu, em parceria com a Dalila Têxtil, a compra integral do algodão produzido pelos agricultores locais, seguindo o modelo de contrato pioneiro de compra garantida iniciado pela empresa paraibana Natural Cotton Color.

“Faz parte do nosso DNA desenvolver e apoiar ações e projetos de sustentabilidade. Pra nós, o projeto algodão orgânico é muito mais do que um produto sustentável. É um olhar e um resgate desta região do Paraíba, que visa a geração de renda local e benefícios para comunidade”, disse Tiago Inácio Peixoto, CEO da Companhia.

Na visão do diretor da Dalila Têxtil o foco é preparar o processo e a qualidade do algodão orgânico paraibano para viabilizar a emissão das certificações internacionais, como o GOTS, para levar este algodão para os mercados de exportação. “Esta é uma jornada longa e desafiadora. Estamos agora em um momento divisor de águas, onde os investimentos estão todos focados na emissão das certificações internacionais, para que possamos valorizar devidamente o projeto”, completou. Klein esclarece que o mercado brasileiro está amadurecendo em relação aos produtos com viés de sustentabilidade. No entanto, o algodão orgânico da Paraíba, por ser artesanal, ainda tem um custo muito alto comparado ao algodão tradicional que é feito em escala e com uso de agrotóxicos. “Por esta razão, é tão importante seguirmos investindo na melhoria dos processos do algodão orgânico da Paraíba, para que esta matéria-prima seja valorizada de forma adequada”, esclarece.

A cidade de Ingá vem se adequando para a transformação que a industrialização deve causar, como novos fluxos de pessoas e o aumento do consumo. “O beneficiamento vai fortalecer ainda mais a agricultura familiar. Em consequência, a demanda por novos negócios relacionados vai gerar ainda mais movimento econômico para toda a região. Estamos preparados e muito felizes”, conclui o prefeito Robério Burity.

Inauguração Usina de Beneficiamento de Algodão Orgânico
Cultivado pela Agricultura Familiar de Ingá e Região
Segunda-feira, 08 de maio, a partir das 10h
Local: Sede da Fábrica – Bairro da Estação

Itacoop e Prefeitura de Ingá – Assessora de imprensa: Renata Marinho
Whatsapp +55 83 9341-4808  renata.marinhojornalista@gmail.com e/ou waskys@gmail.com

 

Últimas

O Banco Popular lança uma nova campanha ‘We Follow Your Rhythm’ e introduz a marca sonora

18/04/2024

Anúncios Porto Rico é uma reconhecida plataforma global de talentos musicais, com uma variedade de ritmos...

Categorias