Homens estão assumindo mais tarefas domésticas, indicam estudos

AdSense Postagem 01

Postagem Única 01 Mobile

Ao que estudos indicam, os homens estão se envolvendo mais com as tarefas domésticas. Fazer as compras é a atividade mais dividida entre os casais, seguida pela de lavar louça. A temida lavanderia, onde apenas 9% dos homens entravam na década de 1990, passou a ter 21% de compartilhamento em 2006. A participação na limpeza da casa quase dobrou: passou de 12% para 22%. Estes são os resultados de estudos e análises divulgados em abril pelo Council of Contemporary Families (Conselho de Famílias Contemporâneas, em tradução livre) – a organização sem fins lucrativos da Universidade do Texas, nos Estados Unidos, se propõe a atualizar o público sobre novidades na área da família americana.

Uma das análises, “Padrões de Progresso? Mudanças na ideologia de gênero, 1977-2016”, examina uma pesquisa extensa da General Social Survey (uma pesquisa americana perene, que acontece desde 1972) sobre como as mulheres se adaptam à casa e ao local de trabalho, mapeando respostas a diferentes perguntas dos anos 1970 até o início dos anos 2000. Os entrevistados foram questionados se homens são mais aptos à política do que as mulheres; se as mães que optam por trabalhar fora estão prejudicando seus filhos; se estas mesmas conseguem estabelecer uma relação próxima e de segurança com seus filhos, e se é melhor para todos quando homens e mulheres atuam com base em papéis tradicionais (homem traz dinheiro / mulher cuida da casa).

 

Os quase quarenta anos de pesquisa evidenciam que havia uma tendência para a igualdade de gênero entre os anos 1970 e 1990. Porém, da década de 1990 ao início dos anos 2000, as visões igualitárias apontam uma nova mudança, chegando, inclusive, a uma inversão de valores. A partir de então, todas as respostas que promovem a igualdade de gênero voltam a ser tendência. Os estudiosos acreditam que é a entrada dos millenials no rol de entrevistados os responsáveis por alterar o gráfico novamente. Eles também lembram que as respostas dos homens e das mulheres acompanham mais ou menos a mesma linha, mas eles tendem a ser mais conservadores do que elas na maioria das vezes.

Um outro estudo, feito por profissionais das Universidades de Utah, Indianapolis e Cornell, também americanas, corrobora os resultados acima. “Mudança na Divisão de Tarefas Domésticas Específicas e suas Consequências para Casais de Médio a Baixo Rendimento”, divulgado em abril, mostra que, entre 1992 e 2006, houve aumento na divisão de tarefas entre pais de renda baixa a moderada.

Na década de 1990, esses casais eram mais propensos a dividir tarefas com compras (28%) e lavar louça (16%) e menos propensos a dividir os trabalhos de lavanderia (9%) e limpeza da casa (12%). Em 2006, a proporção de casais que se alternavam na limpeza da casa quase dobrou, para 22%, e a proporção de divisão de tarefas na lavanderia subiu para 21% (um aumento de 129%). A proporção de pessoas que dividem a tarefa de cozinhar aumentou de 13% para 21%, enquanto a de lavar louça aumentou de 16% para 29%. O aumento na divisão das compras foi menos dramático – de 28 para 30% -, mas continua sendo a tarefa mais compartilhada, agora seguida de perto pela lavagem de louça. A porcentagem de casais em que os homens fazem a maior parte da culinária, limpeza, lavanderia e louça praticamente dobrou de 1992 a 2006.

Louça X sexo

O estudo também investiga a satisfação no relacionamento de acordo com a divisão de tarefas. Em 1992, o tema importava pouco para o bem-estar dos casais. Mas em 2006, casais que compartilhavam tarefas igualmente demonstraram claras vantagens sobre os casais em que apenas um dos parceiros assumiu a carga. Para os homens que dividem obrigações com compras e para as mulheres que dividem o trabalho com a louça, as respostas sobre satisfação no relacionamento são mais positivas.

“Um padrão abrangente que emergiu de nossos dados é que, quanto mais comum é compartilhar uma tarefa, mais prejudicial para a qualidade do relacionamento é que apenas um parceiro assuma a responsabilidade por ela. É por isso que as compras e a lavagem de louça parecem importar tanto para a qualidade do relacionamento. Parece que os indivíduos e os casais fazem um balanço de seus arranjos em comparação com aqueles que os cercam, e essas avaliações de vantagem ou desvantagem relativa acabam moldando seus sentimentos sobre seus arranjos e seus relacionamentos em geral. Isso sugere que, à medida que o compartilhamento de outras tarefas se torna mais comum, os benefícios do compartilhamento – e os custos de não compartilhamento – aumentam”, diz a reportagem no site da CCF.

Fonte: Crescer

Postagem Única 02 Mobile

Anunciantes