Mulher denuncia moradora de Botucatu por racismo na web

AdSense Postagem 01

Postagem Única 01 Mobile

Na semana dos 130 anos da abolição da escravatura, uma postagem com conteúdo racista no Facebook gerou revolta e denúncia. Indignada, a moradora de Bauru, Ana Karolina da Silva Gabino, de 30 anos, levou o caso à polícia. A suposta autora do crime de racismo é uma moradora de Botucatu.

Tudo começou em um grupo da rede social que tem cerca de 46 mil pessoas. Lá, a acusada publicou a foto de uma mulher negra amamentando uma criança e escreveu frases como: “Isso é uma falta de respeito, safadeza”, “fika mostrando as tetas pra macho na rua”; “Olha a cor também, né”; entre outras.

Como forma de denúncia, o print dessa postagem foi compartilhado no grupo “Com que trança eu vou”, de ativismo negro. “Quando vimos isso, todas nos mobilizamos e eu, mesmo sem saber quem é a mulher da foto, resolvi ir à delegacia denunciar. Outra amiga também foi. Eu fui falar com a moça que fez esse comentário racista e ela disse que havia sido hackeada, mas não foi à polícia para fazer um boletim de ocorrência. Depois disso, ela me bloqueou”, afirma a denunciante.

Em outra postagem, a acusada também havia publicado um comentário xenofóbico, dizendo que todos os nordestinos que conhece perderam a virgindade com animais.

Uma mulher, que se diz irmã da acusada, utilizou sua página para esclarecer que a denunciada teve o celular roubado há dias e que começaram a surgir comentários preconceituosos, de todo tipo, em nome dela. “Todos que conhecem minha irmã sabem que ela não é disso. Tem duas moças que estão caindo em cima, pensam que é a minha irmã mesmo que fez toda essa parafernalha. Até que não é muito culpa dessas moças, porque elas foram enganadas. Mas tem que averiguar muito, antes de sair fazendo acusações por aí. Minha irmã foi atrás de advogado e já está tomando as providências necessárias”, diz a publicação.

O caso foi registrado como injúria na delegacia de Pederneiras, cidade onde a denunciante trabalha.

ENTENDA O CRIME

Os atos de discriminação por raça e cor são considerados crimes no Brasil desde 1989. Eles podem ser divididos em duas formas. A injúria racial, presente no artigo 140 do Código Penal, configura-se pelo ato de ofender a honra de alguém utilizando elementos referentes à raça, cor, etnia, religião ou origem. A condenação para quem comete esse crime é o pagamento de multa, além de um a três anos de prisão.

Há também o racismo, que tem pena de dois a cinco anos de prisão, é inafiançável e imprescritível. Comete este crime quem recusa o atendimento a pessoas em estabelecimentos comerciais, veda a matrícula de crianças em escolas e impede que cidadãos negros entrem em restaurantes, bares ou edifícios públicos ou utilizem transporte público.

Em poucas palavras, a injúria racial se dirige contra uma pessoa específica (e necessita representação da vítima), enquanto o crime de racismo é dirigido contra uma coletividade. “Neste caso, houve uma conduta coerente do delegado ao classificar como injúria racial. Caso avalie de forma diferente, o Ministério Público fará a adequação para racismo. Ainda podem haver agravantes, visto que se trata de crimes de Internet. Com as investigações, dependendo da extensão, a Polícia Federal poderá ser envolvida”, afirma o presidente da Comissão de Igualdade Racial da OAB Bauru, Antonio Carlos da Silva Barros.

COMO DENUNCIAR?

É possível prestar queixa nas delegacias comuns e especializadas em crimes raciais, presentes em algumas Capitais. No caso de atos de racismo ocorridos em sites de Internet ou redes sociais, é possível comunicar as autoridades diretamente pela rede pelos sites: http://www.denuncia.pf.gov.br, http://www.new.safernet.org.br/denuncie ou http://www.cidadao.mpf.mp.br munido do link com a denúncia e o print do perfil do autor do comentário ou postagem.

Fonte: JCnet

Postagem Única 02 Mobile

Anunciantes